Olhar Conceito

Domingo, 29 de novembro de 2020

Colunas

​A saúde do relacionamento amoroso

Autor: Larissa Zimmerman

09 Jun 2017 - 09:29

Arquivo Pessoal

Muito tem se falado hoje sobre busca da saúde, e logo pensamos em ter uma alimentação equilibrada, manter uma rotina de exercícios físicos, fazer exames de rotina. Isso é realmente muito importante para ter uma vida saudável, mas algo essencial pode estar passando despercebido por algumas pessoas, a saúde mental.

Quando falo de saúde mental me refiro a forma como estamos lidando com os nossos pensamentos, nossos sentimentos e nossos comportamentos, neste momento quero dar ênfase a saúde nos relacionamentos amorosos.

Relacionamentos tem suas particularidades, mas algo em comum, todos buscam o bem estar. O bem estar deve ser o termômetro para o relacionamento. Você está se sentindo bem da forma como vem se relacionando? Da forma como se relaciona com você? E como você se relaciona com o outro?

É fundamental saber ser generoso com si próprio para se ter um relacionamento saudável. Como saberá ser generoso com o outro se não faz por você? A primeira união deve acontecer com você, não é possível se unir ao outro se não estiver unido a si próprio. A autora Iyanala Vanzant diz a seguinte frase: “Você não irá receber amor de fora se não for amor por dentro”.

Quanto amor você tem dedicado a você mesmo?

Gosto de fazer uma simples analogia. Muitas pessoas se preocupam em organizar a casa quando vão receber uma visita, uma pessoa querida. Deixam a casa limpa, cheirosa, em ordem.

Você é a casa, para se unir a uma pessoa precisa estar em ordem, fica difícil entrar quando a casa esta bagunçada, é necessário zelar pela “casa” e estar em equilíbrio para deixar outra pessoa entrar na morada.

Depois que conseguimos estar em sintonia com o eu é importante pensar em como lidar com o outro, pensar em empatia. Empatia é a capacidade de compreender o outro, de se conectar ao outro, de não julgar. A empatia é primordial para a saúde do relacionamento é compreender o outro mesmo sem ter a mesma opinião.

Muitos casais tornam o relacionamento uma competição ao perceberem suas divergências. Ter opiniões diferentes é natural, a maneira em lidar e aceitar é que faz a diferença.

O amor é o sentimento que estimula o relacionamento, mas sem algumas qualidades pessoais como: sensibilidade, generosidade, consideração, confiança e tolerância os cônjuges não conseguem manter a qualidade da relação. À proporção que tais habilidades são cultivadas o relacionamento se desenvolve e amadurece.

Mesmo com boas habilidades e amadurecimento os problemas não vão deixar de existir, mais uma vez a diferença esta na forma de enfrentar esses problemas.

Quando duas pessoas se interessam por um relacionamento duradouro desenvolvem certas expectativas uma em relação à outra. Durante o relacionamento alguns desejos são despertados, o desejo por amor, fidelidade, apoio e amparo. O que cada parceiro faz está carregado de significados e expectativas, devido a isso ambos ficam propensos a interpretar de maneira distorcida as atitudes um do outro. Os conflitos passam a surgir em decorrência da falta de comunicação, passam a se culpar mutuamente, deixando de pensar no conflito como um problema que pode ser resolvido impossibilitando de desmanchar os nós que impedem a conciliação.
 
Pensar na saúde do relacionamento amoroso significa refletir sobre o equilíbrio de importantes fatores. A minha relação comigo, a minha relação com o outro e a relação de ambos com situações problemáticas.

Como você percebe que está com problemas de saúde? Pode ser por um incomodo, uma dor, um sofrimento. É dessa mesma maneira que o relacionamento demonstra sinais que não está saudável.

* Larissa Zimermann é psicóloga especialista em Terapia Cognitiva Comportamental pelo Ctc Veda.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet