Olhar Conceito

Sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Colunas

Outras culturas

Autor: Maestro Fabrício Carvalho

31 Mar 2018 - 11:16

Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Nesta semana, quando o mundo celebra, na Páscoa, a ressureição do Cristo triunfando sobre a morte, creio ser um momento oportuno para pensarmos um pouco sobre coisas que vêm acontecendo em nosso país e, mais particularmente, em nosso estado. E mais particularmente ainda, sobre um descompasso marcante: a quase total ausência de políticas de Estado relativas à cultura e às artes no âmbito do desenvolvimento de Mato Grosso como um todo, neste momento.

Com efeito, vive-se uma situação de quase completa inanição do aparelho estatal mato-grossense frente à necessidade, imprescindível, de integração da cultura com as demais políticas sociais. Mato Grosso é um sucesso consolidado no agronegócio, em culturas que brotam da terra com o trabalho de homens e mulheres, isso ninguém pode negar. Mas já a cultura enquanto experiência cidadã e fermento necessário para a plena realização das aspirações humanas vive dias de inércia, jogada ao deus-dará. Evidência disso é a própria condição da Secretaria de Estado de Cultura entre o fim do ano passado e esses primeiros meses de 2018: o jornalista Kleber Lima assumiu como secretário da pasta já às vésperas do Natal e agora, cerca de três meses depois, acaba de anunciar sua saída do staff de Pedro Taques. Resultado: neste momento, quando este artigo está sendo lido por você, o cargo de maior relevo na cultura estadual encontra-se sem liderança.

Infelizmente, entretanto, essa triste realidade não é exclusividade do Mato Grosso atual. Longe disso. Dados da Unesco recentemente publicados dão conta que a maioria dos brasileiros não frequenta cinema, quase todos os brasileiros nunca frequentaram museus ou jamais frequentaram alguma exposição de arte. Mais de 70% dos brasileiros nunca assistiram a um espetáculo de dança, embora muitos saiam para dançar. Grande parte dos municípios não dispõe de salas de cinema, teatro, museus e espaços culturais multiuso. Livros são artigos que chegam às mãos de bem poucos porque a maioria não tem dinheiro para comprar e também porque o brasileiro praticamente não tem o hábito de ler. Até o acesso à internet, tão decantado de uns tempos pra cá, está longe de alcançar a todos: uma grande porcentagem de brasileiros não tem computador em casa, destes, a maioria não tem qualquer acesso à internet (nem no trabalho, nem na escola). Dentre os profissionais da cultura no país, metade não tem carteira assinada ou então trabalha por conta própria. Trocando em miúdos: a cultura no Brasil vive na informalidade.

De outro lado sabe-se que a adoção de políticas culturais que informem a população, em nívelde estados e municípios,pode ser fator decisivo para a superação desse quadro de inércia, reforçando a diversidade cultural como fator da sustentabilidade do desenvolvimento.

Mato Grosso hoje é um Estado triste. E nem só neste nosso setor, o que é ainda pior.  Trata-se de um estado de espírito de derrota, decepção, de estagnação que infelizmente prevalece. Em que pesem as boas notícias (somos campeões nisso, somos campeões naquilo), essa alegria não é de Mato Grosso, é uma alegria de poucos. Mato Grosso está triste por todos os dados que afere hoje: na segurança, na saúde e na cultura.

Políticas de cultura pensadas e implementadas pelo Estado são necessárias para a inserção do grosso da população à fruição dos bens da cultura e da arte. Na verdade, mais que necessárias: elas são imprescindíveis. Eu, você que me lê agora, por certo podemos ir ao cinema, a concertos, espetáculos de teatro e dança, podemos comprar livros, mas e as pessoas que não têm dinheiro sequer pra se alimentar? Pra essas pessoas, pra essa camada da população, pra que tenham acesso a informações básicas de segurança, de educação, há que se ter o olhar generoso do Estado brasileiro e do Estado de Mato Grosso. Isto trará, sem dúvida alguma, um outro olhar àqueles que estariam destinados ao nada cultural e à ausência total da informação.

Que possamos fazer nesta Páscoa, nesta hora em que na tradição cristã a luz venceu as trevas, em que a vida venceu a morte, uma reflexão sobre o Estado que temos e sobre o Estado que queremospara todos nós.
 
*Fabrício Carvalho é maestro e secretário de Articulação e Relações Institucionais da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcos
    05 Abr 2018 às 19:18

    Certo, maestro. Linda reflexão, mas nunca deixemos de olhar para frente. Nos momentos difíceis é que temos buscar mais inspiração em Deus, nos unir e perseverar fazendo o melhor que podemos. Abraço aos ex-colegas da OSU/UFMT.

  • Roberto A
    03 Abr 2018 às 15:19

    Bom artigo, é por aí.

Redes Sociais

Sitevip Internet