Olhar Conceito

Segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Notícias / Artes Cênicas

Grupos de siriri de Cuiabá se unem e apresentam 'grande show' durante intervalos do Peladão

Da Redação - Isabela Mercuri

29 Ago 2016 - 10:57

Foto: Lucas Ninno

Grupos de siriri de Cuiabá se unem e apresentam 'grande show' durante intervalos do Peladão
Integrantes de diversos grupos de siriri de Cuiabá se uniram no último sábado (27) para uma apresentação nos intervalos da final do Peladão, campeonato amador de futebol. Liderados pelo coreógrafo Avinner Augusto, do grupo Flor Ribeirinha, dançarinos do 'Coração Tradição Franciscano', 'Flor do Campo', 'Flor de Atalaia', grupo coreográfico da escola estadual "André Avelino Ribeiro" e o grupo de cheerleaders da UFMT marcaram presença na Arena Pantanal.

Leia mais:
Flor Ribeirinha representa Mato Grosso em apresentação a público e imprensa internacional nas Olimpíadas

O grupo formado teve apenas três semanas para armar uma estratégia que atraísse a atenção dos cerca de 13 mil torcedores que estavam nas arquibancadas da final. Com o nome “Mato Grosso Futebol Arte”, o show de dança apresentou diversas músicas. "Fizemos uma mescla. Trouxemos a cultura popular com suas raízes e o intercâmbio com o tema do evento, o Peladão (que é o segundo maior campeonato de futebol amador do país). Foi muito bacana! O público deu um carinho enorme para o espetáculo cujo resultado, na verdade surpreendeu a todos, inclusive os dançarinos pelo pouco tempo que tivemos para criar esta grande produção", salienta Avinner.

No total, foram vinte minutos de apresentação, que começou com o hino de Mato Grosso, teve depois o contexto cultural histórico da chegada dos índios e, por fim, manifestações da cultura popular, como rasqueado, siriri e boi-à-serra.

As canções apresentadas foram "Terra", do cantor Edmilson Maciel; "Cuiabá, muito prazer", do Pescuma; canções de siriri do grupo Flor Ribeirinha e, no final, a música da Ivete Sangalo, "Tempo de Alegria".

"Foi um carinho imenso e ficamos muito felizes com a reação dos espectadores perante as coreografias visualizadas naquele campo com um time de mais de 200 pessoas envolvidas entre dançarinos (150), mais a equipe de produção e a que confeccionou o figurino. Com este belo resultado espero que tenhamos novas oportunidades de mostrar a força da cultura e da arte nos mais diferentes contextos", ressalta o diretor do Flor Ribeirinha.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet