Olhar Conceito

Sábado, 05 de dezembro de 2020

Notícias / Artes Cênicas

O encontro da luz da vida na hora da morte: espetáculo OraMortem chega a Cuiabá

Da Redação - Naiara Leonor

29 Set 2016 - 11:35

Foto: reprodução/ facebook

O encontro da luz da vida na hora da morte: espetáculo OraMortem chega a Cuiabá
“Luz do sol/ Que a folha traga e traduz, / Em verde novo/ Em folha, em graça em vida, em luz...”. Nas palavras de Caetano Veloso a vida se transforma, nasce e apaga em luz. Assim, por meio e entre luz, da luz e pela luz da vida, da mente, do corpo, de tudo que é texto, OraMortem se constrói. O espetáculo que gira o Brasil pelos Sesc’s afora, aporta na cidade sua mãe, Cuiabá, nesta quinta (29) e sexta (30), com sessões gratuitas às 20h e retirada dos ingressos a partir das 19h. Em tempo, seus ‘tecitores’ do in-Próprio Coletivo comemoram a indicação a duas categorias do “Prêmio Cenym de Teatro Nacional”.

Leia mais:
Com escola de vinhos, wine bar e vinho de Angelina Jolie, loja de bebidas finas inaugura segunda unidade em Cuiabá

Tecida nos emaranhados de ideias colaborativas e coletivas, a performance teatral ganhou corpo a cada apresentação. “Foram três meses de ensaio na primeira célula de construção do espetáculo. Depois de cada apresentação, recebíamos pitacos de olhares externos de pessoas amigas”, explica Karina Figueredo, performer e iluminadora.

A relação do espetáculo com a luz é simbiótica. Sem verbo, a emoção é transmitida em som(bra), imagem e etéreo. “É um espetáculo que você tem que se entregar para assistir, estar disponível a experiência”, explica Karina.

Em cena, dois atores (Daniela Leite e Pedro Vicente), três músicos (Estela Ceregatti, Jhon Stuart e Luiz Gustavo Lima) e uma iluminadora performer (Karina Figueredo) adentram um espelho d’água para, juntos, tecerem uma narrativa que se apoia nas sombras projetadas, nos sussurros dos amantes e no compasso dos seus (des)encontros. Não há utilização da palavra e, desse modo, os diálogos são elaborados na fricção dos corpos do casal em questão, algo que convoca o espectador a construir uma narrativa subjetiva baseada nos estímulos audiovisuais a que é exposto. Assim, experimentar OraMortem requer que essa convocação seja um acordo tácito entre os artistas e a plateia.

A obra estreou em Cuiabá em outubro de 2014 e, desde então, já passou por 25 cidades brasileiras por meio dos projetos Sesc Palco Giratório e Circula MT. No Prêmio Cenym de Teatro Nacional foi indicada nas categorias Melhor Trilha Sonora Original, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Execução de Som, onde concorre com diversas produções nacionais como Why The Horse?, O Camareiro, Br Trans, Amargo Fruto – A vida de Billie Holiday, Gota D’água (a seco), entre outros.

Serviço

OraMortem (Teatro, 40 min.) Classificação indicativa: 12 anos
Sesc Arsenal – Cuiabá

Ficha Técnica

Concepção: in-Próprio Coletivo
Argumento: Daniela Leite
Elenco: Daniela Leite e Pedro Vicente
Concepção e operação de luz: Karina Figueredo
Criação e execução da trilha sonora: Estela Ceregatti,
Jhon Stuart e Luiz Gustavo Lima
Cenário: Luis Segadas e Daniela Leite
Cenotécnico: Hiago Gonçalves
Figurino: Einstein Halking / EH Studio
Confecção de figurino: Loraine Costa, Roseni Peron, Kimberly Cristy e Adalgiza Barros
Fotografias: Latitude Filmes, Tarcísio de Paula e Junior Panela
Agradecimentos especiais: Felipe Vicentim (in memoriam)

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet