Olhar Conceito

Quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Notícias / Literatura

Com fotos de mato-grossense, livro "Desbravadores" mostra o outro lado do campo

Da Redação - Viviane Petroli

31 Jan 2017 - 14:18

Foto: Assessoria Cultura Sustentável e Áster Máquinas

Segundo Mario Friedlander, ele

Segundo Mario Friedlander, ele

Uma pequena odisseia. É assim que o fotógrafo mato-grossense Mario Friedlander retrata a experiência de registrar em fotos a história do desenvolvimento econômico de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul promovido pelos produtores rurais é retratada através do projeto "Desbravadores - Orgulho por contribuir com a alimentação do mundo".

O projeto é realizado pela editora Cultura Sustentável e patrocinado pela Áster Máquinas, concessionário autorizado John Deere, e traz através de um livro e exposições de fotos a história do agronegócio no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul diante relatos de produtores rurais que contribuíram e continuam a contribuir para o desenvolvimento de ambos os Estados.

A obra "Desbravadores - Orgulho por contribuir com a alimentação do mundo", em Cuiabá, foi lançada no último dia 27 de janeiro na Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato). No local, inclusive, pode ser conferida uma exposição com fotos feitas por Mario Friedlander para o projeto. Além de Cuiabá, a obra foi lançada também na semana passada em Campo Novo do Parecis (MT), Sapezal (MT) e Maracaju (MS).

Mario Friedlander revela ter sido um desafio fotografar os campos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Acostumado a retratar a área cultural e histórica, além de paisagens e natureza, o fotógrafo mato-grossense pontua ter ficado surpreso com o que viu.

“Era um desafio. Primeiro porque eu não tinha uma noção do que era o agronegócio. Era uma vaga ideia. E, segundo porque é legal você entrar num território desconhecido”, comentou ao Olhar Conceito.

O projeto teve início em setembro de 2015. A produção, conforme Mario Friedlander, envolveu inúmeras viagens entre os dois Estados, visitas a produtores e fazendas, visitas a diversas regiões de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e em épocas diferentes, como durante o plantio, a colheita, período de seca e chuvoso.

“Foi uma pequena odisseia. Eu fiquei muito surpreso. O que me tocou foi perceber que os produtores, donos de fazendas, funcionários e parceiros comerciais levam o agronegócio muito a sério. Eles têm um comprometimento muito grande com a eficiência do negócio e isso não estamos acostumados a ver no Brasil”, destaca o fotógrafo.

Uma das coisas que mais chamou a atenção de Friedlander foi ver em pleno horário de almoço donos e funcionários de fazendas discutindo cálculos, produtividade, pragas e outros afazeres, enquanto poderiam estar em um momento de descontração falando sobre futebol, por exemplo. “Eu não tinha ideia de que era complexo isso”.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet