Olhar Conceito

Segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Notícias / Carreira

Especialista mato-grossense alerta para banalização do coach e explica: Não é mágica, melhorar o mundo melhorando a si

Da Redação - Jardel P. Arruda

17 Abr 2017 - 10:20

Especialista mato-grossense alerta para banalização do coach e explica: Não é mágica, melhorar o mundo melhorando a si
A palavra “coach” passou a se tornar lugar comum no meio executivo, bem como os “coaches” começaram a se multiplicar como gotas de chuva sobre o vidro. Da mesma forma, brotaram várias instituições, grupos e organizações e pode até ficar difícil para uma pessoa interessada em um serviço sério encontrar o que precisa. O alerta tem sido feito constantemente por alguns dos coaches mais experientes do Brasil, como Jorge Oliveira e Vicky Bloch.

Leia também:
Agência de MT responsável pela publicidade da Assembleia e Governo ganha prêmio internacional

Em Mato Grosso, quem faz o alerta é outra experiente coach: Iracema Irigaray, membro há oito anos da Federação Internacional de Coach (ICF), a maior e mais antiga organização internacional de coaching, criadora do curso MBA em Liderança e Coaching da Unic e do curso Gestão de Si Coaching. Para ela, o termo “coaching” está banalizado e pessoas sem a devida formação oferecem soluções mágicas ao invés de um trabalho baseado em estudos com padrões e ética.

“O termo coaching está banalizado hoje. A pessoa hoje investe em marketing. Cria uma pagina no face, um Instagram. Tem muita gente fazendo vídeos também. A ICF busca estudar com padrões de ética. Nós queremos que a pessoa entenda como pode melhorar o mundo melhorando a si mesma”, alerta Iracema.

De acordo com ela, muitos coaches não possuem formação adequada. Ao invés disso, passam a sensação de uma formação através de marketing. Um conceito unânime entre profissionais do ICF é de que quanto menos formação um coache possui, mais mágico ele se acha. As vezes, pode até apresentar um resultado imediato, mas sem sustentação a longo prazo.

Iracema salienta que boa parte disso é devido a abordagem. Enquanto muitos tratam coaching como terapia, ela coloca o processo como quase um inverso. Ao invés de tratar as dores, tratar possibilidades. Não focar em melhorias por melhorias, mas em melhorar o mundo através de uma melhoria de si mesmo.


Gestão de Si

               

Após ter criado e coordenado o curso de MBA em Liderança e Coaching na Unic, Iracema começou a receber pedidos de pessoas que gostariam de participar de um curso, mas não de uma pós-graduação. Com isso, ela criou o Gestão de Si, um curso com conteúdos e ferramentas de coaching.

O curso é dividido em seis módulos, nos quais ela vai trabalhar autoconhecimento e competências de liderança; pessimismo x otimismo; crenças e modelos mentais; inteligência emocional; resiliência; e coaching de vida.

Quando para atender equipes, Iracema parte justamente do ponto da melhoria individual para melhorar ao redor. “Geralmente você passa mais tempo com sua equipe do que com sua família. Quando você tem dificuldade de se relacionar com a equipe, você tem que se trabalhar. Não ficar trabalhando a equipe como todo. Trabalho os indivíduos. Quanto melhor eu me relaciono comigo, melhor me relaciono com as pessoas”, pontua.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet