Olhar Conceito

Domingo, 29 de novembro de 2020

Notícias / Perfil

Mães alertam para opções de tratamento de pé torto congênito em piquenique no Mãe Bonifácia

Da Redação - Letícia Ferro Ferraz

04 Jun 2017 - 08:25

Foto: Arquivo Pessoal

Órtese Dennis Brown usada no tratamento de Pé Torto Congênito

Órtese Dennis Brown usada no tratamento de Pé Torto Congênito

Um piquenique reunindo familiares de pessoas com o pé torto congênito será realizado neste domingo (4), no Parque Mãe Bonifácia. O encontro tem como objetivo comemorar o dia mundial do pé torto e chamar atenção para a causa. O piquenique iniciará às 16h e vai ter a presença do Dr. Miguel Alito, especialista no assunto, que pretende melhorar o tratamento oferecido no SUS sobre o problema.

Leia também
Caminhada sobre alergias alimentares acontece durante mês de conscientização de intolerância a glúten

Franciellen Mendes, mãe do Enzo, 3 anos, que tem PTC lembra como foi receber o diagnóstico. “Tive uma gestação muito desejada e absolutamente, normal. Mas na ultrassom realizada com 25 semanas, chamada morfológica, ouvi do médico as palavras, 'seu filho tem os pezinhos tortos'. Após isso ele me disse que tinha tratamento e que eu deveria ficar tranquila. Foi então que iniciei a narrativa em um blog Os pezinhos do Enzo.”

“Primeiro pesquisei muito, encontrei um médico que realizasse o tratamento pelo melhor método existente no mundo, chamado o método Ponseti. Aqui em Cuiabá temos um médico referência nesse tratamento, o Dr Miguel Alito. O tratamento custa super caro, hoje é por volta de R$ 10 mil, mas através do blog, conseguimos a maior parte do valor.” conta a mãe.

“Ele começou o tratamento com 11 dias de vida. Os pezinhos são engessados geralmente por 6 semanas para ficar no lugar, e a cada semana é trocado esse gesso. Hoje, cada troca custa cerca de R$ 1.200. Depois o Enzo passou por uma micro-cirurgia, chamada tenotomia. Saiu da sala de cirurgia com gesso em ambas as pernas, usou por mais 15 dias o gesso, e depois passou a usar uma botinha ligada por uma barra de ferro, chamada órtese Dennis Brown. Usou essa botinha por 3 meses direto, tirando só pro banho. Depois recebeu alta parcial e usa 14 horas por dia, colocamos ela no horário mais tranquilo, e no sono. Ele usará até pelo menos os 4 anos de idade. Esse é o tratamento”, explica a mãe.

Ela comenta também as diferenças com o atendimento oferecido pelo SUS. “Enquanto o Enzo usou um total de 6 gessos, o tratamento oferecido no SUS usa mais de 15 gessos. Algumas vezes a cirurgia no SUS é de uma técnica antiga e muito mais agressiva. O Dr Miguel Alito quer muito melhorar esse tratamento oferecido pelo SUS, e estará presente em nosso piquenique.”

Franciellen completa. “A cada mil bebês, um tem pé torto congênito. Eu considero um número alto. O tratamento ofertado pelo SUS está longe de ser bom. Precisamos divulgar para orientar, quanto mais pessoas souberem sobre o tratamento, menos julgamentos teremos sobre as mães de bebês PTC. Não é fácil sair a rua com um bebê com a perna engessada, geralmente pensam que a mãe derrubou o bebê, com isso a maioria das famílias fica reclusa em casa durante todo o período do tratamento de gesso.” conclui.

Serviço

Piquenique do Dia Mundial do Pé Torto
Data: Domingo, 4 de junho - 16h
Local: Parque Mãe Bonifácia
Informações: (65) 99990-6540

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet