Olhar Conceito

Domingo, 20 de setembro de 2020

Notícias / Perfil

Ícone regional, Mestre Bolinha conta um pouco da sua trajetória: "a música vem desde que eu nasci"

Da Redação - Letícia Ferro Ferraz

10 Jul 2017 - 08:01

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ícone regional, Mestre Bolinha conta um pouco da sua trajetória:
“João Batista Jesus da Silva é ou não o nome mais lindo do mundo?”. Quem pergunta é o próprio dono, mais conhecido como Mestre Bolinha, que regeu a banda da então Escola Técnica Federal de Mato Grosso (ETFMT, e atual IFMT) por mais de 35 anos, além de fazer parte dos musicos que resgataram e popularizaram o Rasqueado Cuiabano.

Leia também:
Caetano Veloso e Milton Nascimento são atrações confirmadas no Festival de Inverno de Chapada; veja lista

Cuiabano simples e muito acolhedor, Bolinha e sua esposa e companheira, Santina Silva, recebeu a equipe do Olhar Direto para contar um pouco da história dessa memória viva da música regional matogrossense. Filho de Mestre Albertino e Dona Enedina Fernandes da Silva, Bolinha já nasceu com o dom musical. Seu nome foi uma escolha do pai, que resolveu homenagear o santo do dia em que ele nasceu, 23 de junho, dia de São João Batista.



“Acho que a música vem desde quando eu nasci, segundo mamãe, às 8h da noite, na festa de Dona Maria, era o peixinho da festa, que estava pulando na barriga dela.” A música teve grande influência na sua família, principalmente por causa do pai, que sempre ensaiava em casa, com a banda Às de Ouro. “Na minha família, as mulheres são professoras e os homens somos tudo da parte musical. Um toca pistão, eu toco saxofone, outro toca contrabaixo, e outro tocava pancadaria”, afirma Bolinha, que já sentia a música dentro de si desde os 5 anos, quando o pai o levava para os ensaios e o menino João se emocionava com as músicas que a banda do exército tocava, a qual seu pai fazia parte.

Mestre Albertino, pai de Bolinha, de quem ele tem muito orgulho, foi maestro da banda da Escola Técnica por muito anos, e depois que saiu, deixou um amigo regendo, mas este não conseguiu desenvolver a banda, tinha só nove integrantes naquele momento. Então o diretor da ETFMT, que hoje dá nome ao atual campus do IFMT, o coronel Octayde Jorge da Silva, resolveu trocar de maestro.

Então o coronel Octayde convidou Bolinha e seu irmão Juca para assumirem a função. “Filho de peixe, peixinho é, né? Seu pai é um grande músico, eu vejo você e seu irmão tocarem, também são grandes musicos. Além de serem serem filhos do Mestre Albertino, porque iríamos chamar alguém de fora, quando vocês tem competência para fazer um banda aqui?”. E com a ajuda do Gilberto Nasser, professor de teatro que estava presente no momento do convite, no dia seguinte a banda tinha 40 novos integrantes.

Ele transformou a banda, que no auge tinha 65 integrantes, e fazia coreografias durante suas apresentações. “O coronel disse que era o melhor maestro, e me homenageou com um quadro. Fui maestro por 35 anos na Escola Técnica”, relembra ele.

Na sala de sua casa estão expostas lembranças da sua trajetória, da ETFMT, quando foi elogiado pelo pai, como um dos melhores musicos do Brasil, e o troféu de primeiro lugar que ganhou no primeiro festival de rasqueado de Mato Grosso. Essas lembranças dividem espaço com sua religiosidade, atrás do sofá tem uma imagem de Santa Cecília, protetora dos músicos, a quem ele é muito devoto.

A escolha pelo saxofone foi influência do pai. “Escolhi o saxofone porque é o que o pessoal gosta de escutar, eu queria mesmo é ser trombonista de vara, mas ai papai falou que não. Aí se descumprisse ele”, conta.

Ele relembra que antigamente o rasqueado não fazia muito sucesso. “O rasqueado dentro de Cuiabá era só as pessoas chinfrim, pessoas pobres, que ouviam, não tinha pessoas que se dedicavam a isso”. E sente saudades da variedade musical que a cidade tinha. “Às vezes eu sinto saudade do maxixe, rasqueado, baião, tinha até competição de tango em Cuiabá. Hoje você vê mais é sertanejo.”


 
Foi na antiga casa noturna Panacéia que o Rasqueado Cuiabano se popularizou. Ele é o responsável por juntar a dupla Henrique & Claudinho, que gravou o primeiro LP de rasqueado. O dono da Panacéia ao perceber o sucesso do ritmo, convidou também Bolinha pra gravar o primeiro CD da Capital, logo depois do LP da dupla.

Só depois outros cantores começaram a cantar e gravar o ritmo. “Logo o governador (Dante de Oliveira) interessou e começou a fazer shows na praça, cantávamos para mais de 5 mil pessoas. Mas agora o ritmo está desaparecendo de novo”. Apesar de ainda pedirem sempre para tocar rasqueado, ele revela que nem todos apreciam essa tradição cuiabana, e que até alguns cantores têm vergonha do ritmo. Quando perguntado como ele se sente por ser parte da história da música mato-grossense e memória viva dela, ele abre aquele sorriso e se diz muito honrado disso.

Bolinha do iê-iê-iê

Na década de 60, Bolinha fazia parte da banda Lenha, Brasa e Bronca. Os integrantes eram considerados os Reis do Iê-iê-iê, que tocavam Beatles e músicas da Jovem Guarda. Foi em uma viagem a Campo Grande, com essa banda, que surgiu  o famoso apelido. “Fui para lá e comecei a tocar, fiz sucesso, e como tinha muita rixa naquele tempo, o pessoal não gostava de ver cuiabano sendo mais famoso, isso foi antes da divisão do estado. Tinha uns jornalistas que resolveram me apelidar com nome de cachorro como uma forma de me diminuir, só que o apelido pegou, e eles acabam ficando sem graça depois disso”. Mas sua esposa tem outra versão para o apelido, disse que o esposo foi magro, e quando voltou tinha engordado, e estava como uma bolinha.

O último CD que lançou, Lembranças dos 73 anos do Mestre Bolinha, é um mix de tudo o que já fez, tem rasqueado, bolero, lambada. O músico tem um pedido a alguns de seus antigos alunos, hoje o prefeito de cuiabá, Emanuel Pinheiro, e também para o governador do estado, Pedro Taques. “Eu gostaria de pedir para eles olharem mais para Cuiabá, essa cidade linda e arrumem a casa para poder ajudar o povo dessa cidade maravilhosa”, finaliza.

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paula
    08 Abr 2019 às 11:55

    E o Mestre Juca?

  • Albertino
    12 Jul 2017 às 06:39

    Aí e o cara mestre bolinha meu amigo

  • LUIS AMOS VEIGA ROQUE
    11 Jul 2017 às 15:16

    Bolinha é meu amigo desde criança o conhecia do 16 BC e sua Irmã Professora Janete e minha familia representada pela minha mãe professora CECILIA VEIGA , admiramos o trbalho de MESTRE ALBERTINO e logo depois seu filho JOÃO BOLINHA para os de casa ou JOAZINHO. DEUS ABENÇOE A TODA FAMILIA MEUS QUERIDOS.

  • Walter MirandaFonseca
    11 Jul 2017 às 07:46

    Na historia do Bolinha ainda tem a fase dos bailes no Club Náutico e Grêmio Antonio João ( dos Sargentos) onde atuava o Los Bambinos, grande conjunto musical da época.

  • Carlos
    10 Jul 2017 às 23:37

    Estudava na escola tecnica em 79 82 e me lembro que havia uma sala ao lado do campo de futebol onde ele e o Juca ministrava as aulas de musica. Lembro de bolinha e juca entrando na escola com as caixas com seus instrumentos musicais. Durante as aulas era possivel escutar o som dos instrumentos musicais .. Gostaria de aproveitar e fazer homenagens a aqueles professores brilhantes daquela epoca. Essa escola sempre foi referencia.O coronel Octaide era a cara da escola juntamente com os professores, Nato, Sabino, Hugo, Osvaldo, Alfredo, Ze Luz, Berier, Tuca, D. Adelina, Diva, Ze Carlos, Paulo Nince, inspetores Ivo, Sebasião e outras feras. Escola Brilante conduzida pelo Coronel Octaide Jorge da Siva

  • Valderez Monte
    10 Jul 2017 às 14:25

    Cuiabá tem que ouvir o Maestro. Morei aí, conheci a cultura cuiabana linda e rica. Jamais deveriam ter deixado morrer o movimento cuiabanos. O rasqueado é um ritmo lindissimo. A cidade deveria ter um espaço para exibição permanente de ritmos e shows cuiabanos e matogrossense, afinal faz parte de um roteiro turístico. A Prefeitura deveria unir-se à UFMT, Sesc e implementar um projeto cultural.

  • Sebastião Queiroz
    10 Jul 2017 às 13:29

    Meu eterno mestre. Se um dia aprendi a tocar saxofone, devo ao mestre Bolinha. Foram 4 anos na banda da ETF-MT ao lado de grandes amigos e desse mestre que nos ensinou só coisas boas, junto com outro mestre, o Juca de Mestre Albertino. Saudades daquele tempo bom que não voltam mais. Vida longa ao mestre Bolinha. Ícone da música mato-grossense.

  • Carmem
    10 Jul 2017 às 10:50

    Grande mestre! Tive a honra de fazer parte da Banda da ETF, com ele e com o grande Juca ! quantas recordações. Tempo bom que não volta mais!

  • Sergio Castro
    10 Jul 2017 às 09:33

    Parabéns bolinha pelo seu talento.

  • Cuiabano Rondonia
    10 Jul 2017 às 09:00

    Lembranças da Cuiabá que não voltam mais, Mestre Bolinha, saudosos seu Dito porteiro, Prof. Sabino Albertão, amigo colega de faculdade e Prof Ivo, demais e queridos da ETF, Mestre Alcione que infelizmente apos seu tempo de apogeu terminou sua vida como quase mendigo nas ruas de Cuiabá. No final de minha adolescência tive o privilegio de frequentar e presenciar o inicio do apogeu do rasqueado cuiabano nas apresentações na Panaceia e não esqueçamos das magnificas apresentações nas festas do Senhor divino e São Benedito. Parabéns mestre bolinha, que o grande arquiteto do universo que é deus lhe proporcione muita saudê, para que convivamos por muito e muitos anos com vossa musicalidade.

Redes Sociais

Sitevip Internet