Olhar Conceito

Notícias / Arquitetura, décor e design

cidades históricas

Arqueólogos analisam Praça da Mandioca antes de obras do PAC; ficará maior e mais iluminada

Da Redação - Isabela Mercuri

21 Fev 2018 - 11:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Arqueólogos analisam Praça da Mandioca antes de obras do PAC; ficará maior e mais iluminada
A Praça da Mandioca deve ficar maior, mais iluminada e mais arborizada, depois de finalizadas as obras do PAC Cidades Históricas, que começaram na última terça-feira (20). O projeto, que começou pelas Praças Senhor dos Passos e Doutor Alberto Novis, a Escadaria do Beco Alto, e irá finalizar na Praça Caetano de Albuquerque, é realizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano.

Leia também:
Prefeitura busca diálogo entre comerciantes da Praça da Mandioca, moradores e MP

As intervenções, financiadas pelo governo federal através da Caixa Econômica Federal, foram orçadas em R$900 mil, dentro de uma planilha aprovada pelo Ministério da Cultura. As obras são executadas pela Archaios Engenharia e Análise Arqueológica da empresa Archeo Pesquisas Arqueológicas.

“As ordens de serviço dessas obras foram dadas em 02 de janeiro, quando começamos a Praça Senhor dos Passos, que já está quase pronta. A Praça da Mandioca teve que aguardar um pouquinho devido ao Carnaval. Passadas as festividades, demos início aos serviços e pretendemos entregá-la o quando antes aos moradores e ao público que frequenta o local”, disse o secretário Juarez Samaniego.

Adão Rodrigues, mestre de obras da Archaios Engenharia, explica que a Praça da Mandioca sofrerá um aumento na dimensão. Na lateral, que fica na  Rua Ricardo Franco (rua do meio), ela deve receber um aumento 2,40 cm e na frente, na Rua Pedro Celestino, o aumento será de 3,60 cm.

“Nada será retirado e sim, acrescentado. A praça vai receber bancos e luminárias novos e árvores. Com relação ao tempo da obra, tudo depende muito da arqueologia. Por que a gente faz a demolição com acompanhamento dos técnicos na escavação. Depois eles entram com o trabalho minucioso, o que leva algum tempo, para ver se encontram alguma coisa. Então eles mandam um relatório ao Iphan e só depois que eles autorizam é que podemos entrar com nossos serviços”, esclareceu Adão.

Outras obras

Dentre as outras praças contempladas pelo projeto, algumas ainda estão em obras. A Praça Senhor dos Passos já recebeu o concreto, as luminárias e as árvores,e falta acomodar o piso. Esta deverá ser a primeira a ser entregue a população.

A Praça Doutor Alberto Novis e a Escadaria do Beco Alto passaram pela análise arqueológica e agora, aguardam a autorização do Iphan para dar continuidade à obra, e a Praça Caetano  de Albuquerque deve receber a equipe da empresa de engenharia ainda esta semana, para dar inicio às obras.

Na Praça da Mandioca, o trabalho de demolição com monitoramento da empresa de arqueologia que deverá trabalhar nas escavações começou na terça-feira (20).  “O tempo de análise pode demorar, o que acaba interferindo no prazo de  finalização da obra, como aconteceu na Praça Doutor Alberto Novis. Lá foi preciso um pouco mais de tempo, por que encontramos fragmentos datados do século 19. Finalizando a análise, enviamos um relatório ao Iphan que define quando os serviços devem retomar”, pontuou Vanderson Garcia, arqueólogo.   
 
Educação Patrimonial


Além das obras, durante o trabalho, as empresas de arqueologia realizam, também, ações junto à população. Inicialmente é feito um diagnóstico através de pesquisas, para saber como as praças são utilizadas, e se os moradores e comerciantes conhecem sua história. A partir disso,  são realizadas algumas oficinas.

“Nas obras da Alberto Novis e Senhor dos Passos nos realizamos um trabalho de oficinas com os moradores de rua e comerciantes. A partir desse diálogo desenvolvemos um projeto artístico nos tapumes expressando um pouco da linguagem dessas pessoas, o que elas entendem como patrimônio e, evidenciando esse patrimônio vivo que inclue as pessoas”, relatou Danilo Rodrigues, educador patrimonial da Archeos Pesquisas Arqueológicas.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet