Olhar Conceito

Quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Notícias / Artes visuais

Artista visual mato-grossense expõe fotos de processo de catalogação botânica

Da Redação - Isabela Mercuri

01 Out 2018 - 17:03

Foto: Manoel Vieira

Fred Gustavos

Fred Gustavos

A exposição ‘Flora et Lumen’, do artista visual e fotógrafo Fred Gustavos, é lançada nesta quinta-feira (4) na galeria da Casa do Parque, a partir das 19h. A mostra tem entrada franca e apresenta 17 obras feitas a partir de um processo de catalogação botânica.

Leia também:
Conheça o cacerense membro da Academia Brasileira de Artes que expõe em Paris no próximo mês
 
As fotos apresentam flores, folhas, plantas que podemos encontrar em nossa flora, na mata, nos quintais mais humildes ou nas decorações mais sofisticadas. Para o cineasta e comunicador cultural Luiz Marchetti, “Fred sublinha grafismos no preto e branco, cata covas e declínios delicados. E quando a intimidade acende minúcia, aparece uma sombra sedutora. A criação de Fred Gustavos pede um segundo, outro e mais um olhar. É o impacto de arriscar-se numa pétala”. ‘Flora et Lumen’ tem curadoria de Mari Gemma de La Cruz e apresentação de Luiz Marchetti.
 
Fred estudou autorretrato conceitual com a fotógrafa e artista visual Jaqueline Hoofendy (RJ) em 2017, recentemente, participou como finalista na temporada do reality show de fotografia Arte Na Fotografia, do canal Arte 1, e recebeu Menção honrosa em duas edições da Maratona Fotográfica, em 2016 e 2017.
 
O artista já expôs na galeria Artô, no MACP e no Sesc Arsenal, em Cuiabá, e já foi para o Museu da Imagem e Som de São Paulo com a “Feira Cavalete MIS 2018” Coletivo Autorretrato, e para o Festival Internacional de Fotografia Paraty Em Foco, em 2018.
 
A exposição FLORA ET LUMEN tem entrada franca, e fica aberta ao público até 10 de novembro. Leia na íntegra o texto da curadora:
 
DESLOCAMENTOS MONOCROMÁTICOS DA PRIMAVERA DE FRED
 
O trabalho de Fred Gustavos me traz gratas lembranças da época em que saía em expedições pela natureza em busca de exemplares de plantas medicinais para estudos. Ele, ao invés de dessecá-las, a fim de identificá-las botanicamente, perpetua suas características e beleza, as imortaliza através de suas imagens cuidadosamente enquadradas, permitindo que a luz valorize as formas e os sutis detalhes, nos proporcionando um estado contemplativo do belo.
 
O trabalho de Fred, para além da beleza inspirada na flora local e expressa pelas nuances da luz, nos instiga a uma leitura ambígua frente ao desequilíbrio da natureza queimada que se torna monocromática. O preto do carvão e o cinza do céu enfumaçado representam uma realidade que precisa ser transformada. Entretanto, neste momento em que o trabalho se abre ao público, também ocorrem as primeiras chuvas e esta mesma natureza renasce em múltiplas cores primaveris. Nisso há ao mesmo tempo fragilidade, força e esperança.
 
A fotografia tem o poder de criar dúvidas e nos fazer refletir sobre a realidade percebida, pois é uma subtração da mesma naquele momento capturado. Enquanto arte, segundo Ítalo Calvino, deve trazer leveza ao espectador através do despojamento da linguagem e da narrativa que expresse um raciocínio atravessado pela abstração e imaginação. Esta ambiência estética é percebida no trabalho de Fred.
 
Produzir fotografias de flores em preto e branco é como produzir algo que não existe fisicamente, mesmo partindo de um elemento verdadeiro em cor como referência. Ocorre aí um deslocamento da realidade, possibilitando um número infinito de possibilidades imagéticas. Afinal, a natureza não é monocromática.
 
Cada pessoa tem uma experiência particular e especial com cada flor em cor e isso impulsiona o espectador a completar a obra de acordo com suas referências vividas.
 
De alguma maneira este conjunto de imagens preparado tão cuidadosamente por Fred Gustavos torna-se uma obra aberta e, como Umberto Eco diria, nas poéticas contemporâneas a obra não comporta apenas uma interpretação, portanto não existe uma única verdade.
 
Fica então o convite para que cada apreciadora ou apreciador coloque suas cores afetivas que habitam suas memórias, pois aí reside sua verdade.
 
Mari Gemma De La Cruz
Artista-Curadora-etc
CONTATO
Fone / WhatsApp: +55 65 98126 3006
E-mail: marigemma@gmail.com 
Site: www. marigemma.com

 
Serviço

‘Flora et Lumen’ – Fred Gustavos
Abertura: Quinta-feira (4), 19h
Casa do Parque: Rua Marechal Severiano de Queiroz, 455
Bairro Duque de Caxias, Cuiabá
Informações: (65) 3365 4789 e 98116 8083

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet