Olhar Conceito

Quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Notícias / Saúde e Beleza

Uso de boné deixa careca? Cirurgião responde o que é mito e o que é verdade sobre implante capilar

Da Redação - Isabela Mercuri

09 Jan 2019 - 14:00

Foto: Reprodução/Internet

Uso de boné deixa careca? Cirurgião responde o que é mito e o que é verdade sobre implante capilar
Metade da população masculina de todo o mundo apresenta calvície antes de chegar aos cinquenta anos de idade. Muitas destas pessoas, no entanto, se sentem incomodadas com esta realidade, e buscam formas de mudar a própria aparência, como tratamentos clínicos ou mesmo o transplante capilar.

Leia também:
Cirurgião plástico conta novidades das tecnologias para transplante capilar
 
Em Cuiabá, um dos únicos cirurgiões plásticos que realiza a técnica sem cortes de transplante capilar, o ‘FUE’ (folicular unit excision) é o doutor Victor Albuquerque. Ele participou do maior evento da América do Sul de transplante capilar em Foz do Iguaçu, e trouxe para Cuiabá algumas novidades que aprendeu. Dentre elas, estão os novos aparelhos de retirada dos folículos, as técnicas de implantação coreanas, novas lentes de aumento japonesas com campos visuais maiores, e pinças alemãs específicas para unidades foliculares. (Leia mais AQUI).
 
Hoje, ele responde algumas das dúvidas mais frequentes de quem percebeu que seu cabelo está caindo. Confira:
 
Pode se utilizar cabelo de outra pessoa

 
Mito: O organismo reconhece através do seu sistema de defesa que a unidade folicular não é dele, gerando rejeição e perda dos enxertos
 
Quanto mais cedo fizer o transplante capilar melhor
 
Mito: Na realidade é o inverso. O tratamento clínico de calvície (minoxidil, finasterida, MMP e outros) devem sim começar cedo. Porém, no caso do transplante capilar, quanto mais definida a calvície melhor para o planejamento cirúrgico e definição de área doadora segura. Os ideais são aqueles com 35 anos ou mais.
 
Vou ficar com aspecto de cabelo de “boneca"
 
Mito: O “cabelo de boneca”é um estigma gerado pelas cirurgias bem antigas, realizadas por extrações conjuntas de blocos de unidades foliculares com a sua implantação da mesma forma.

Desde o surgimento da FUT  com a utilização dos mini-enxertos foliculares não se vê mais este tipo de resultado.
 
O cabelo transplantado não cai
 
Verdade: o cabelo de transplante capilar, por ele vir de uma área no couro cabeludo posterior, digamos, “imune”a alopécia androgenética, ele ao ser transplantado para a sua nova área carrega com si sua característica de permanecer imune aos efeitos da calvície. Porém, pode sofre a ação de outras doenças de couro cabeludo ou sistêmicas que levem a calvíce.
 
Quem realiza transplante capilar não precisa realizar outros tratamentos clínicos de calvície

 
Mito: A queda capilar por alopécia androgenética é um problema sem cura.
O fato de ter ou querer realizar o transplante capilar não libera o paciente do tratamento clínico (minoxidil, finasterida, MMP e outros) pois, previne a queda e melhora a qualidade dos fios originais do paciente na área calva e ainda melhora sua densidade, gerando mais cobertura da área de desejo do tratamento. Ainda, em alguns casos avançados, precisamos lançar mão de tratamento clínico prévio ao transplante pra melhorar inclusive a área doadora do paciente.
 
A técnica fue não deixa incisões

 
Mito:
Hoje muitos pacientes procuram a FUE por achar que ela “não deixa cicatriz”. Porém como médico ético não podemos dizer que sim. Nesta técnica são realizados sim, milhares de micro incisões de 0,8-0,95mm  (menor que um milímetro) para extração das unidades foliculares. Estas, cicatrizam sem deixar vestígios na maioria das vezes se for realizada por cirurgião bem treinado e com instrumental adequado. Ainda friso que por se tratar de processo cicatricial, depende dos fatores individuais do paciente que são imprevisíveis.
 
Após o transplante vou ter o mesmo aspecto de antes da perda capilar
 
Mito: Nenhum cirurgião o técnica vigente pode produzir o que a natureza entrega. A densidade capilar produzida pelo cirurgião que domina a técnica pode chegar a 50/60% da densidade natural. Porém, com o adequado planejamento e distribuição das unidades foliculares nas áreas calvas conseguimos camuflar muito bem a calvície. Até porque, em alguns casos, a área calva é maior que a área doadora e por uma questão bem óbvia, seria impossível preencher tudo.
 
São necessárias novas sessões de transplante capilar
 
Verdade: Além do fato da calvície ser uma doença progressiva, necessitando de novas sessões para preencher novas áreas calvas, também pode ser necessário sessões complementares para melhorar densidade ou hair line.
 
Usei boné e fiquei careca

 
Mito muito comum: Bonés, chapéus, uso de géis, cremes ou tingir o cabelo não produzem alopécia androgenética.
 
Somente a calvície causa queda capilar
 
Mito: Na avaliação de todo paciente com história de perda de cabelo, afastamos outras causas de alopécia como doenças de couro cabeludo, doenças sistêmicas como diabetes e hipotireoidismo,  estresse etc.
 
Dr. Victor é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Associação Brasileira de Cirurgia de Restauração Capilar. Estudou a técnica em São Paulo e no Paraguai.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet