Olhar Conceito

Quinta-feira, 28 de outubro de 2021

Notícias / Saúde e Beleza

carnaval

Aprenda a fazer glitter com beterraba e evitar que microplásticos cheguem aos rios e oceanos

Da Redação - Isabela Mercuri

26 Fev 2019 - 11:00

Foto: Reprodução/Internet

Aprenda a fazer glitter com beterraba e evitar que microplásticos cheguem aos rios e oceanos
A preocupação com o meio ambiente tem levado a população a repensar diversas atitudes, desde a diminuição do uso de canudos plásticos – o que virou até projeto de lei em Cuiabá – até a preferência por uso de glitter biodegradável nas festas de Carnaval. Desde segunda-feira (25), o Sesc Poconé realiza oficinas para ensinar a fazer o material em casa, sem prejudicar a natureza, com gelatina e água de beterraba.

Leia também:
Procon dá dicas para evitar ‘dor de cabeça’ nas festas de Carnaval
 
Em 2018, a BBC Brasil publicou uma matéria explicando como o glitter usado no Carnaval pode chegar aos oceanos. De acordo com a reportagem, “quando se lava o corpo ou rosto coberto de glitter, as peças escorrem pelo ralo. Pequenas demais para serem filtradas no sistema de tratamento de esgoto, acabam parando em rios e mares”.
 
O glitter é considerado um microplástico, já que são partículas de menos de 5 milímetros. "Pesquisas recentes dão conta de que microplásticos perturbam o início da cadeia de alimentação aquática, como os plânctons. Também afetam ostras e mexilhões", disse Trisia Farrelly, da Universidade de Massey, na Nova Zelândia, especialista em ecologia urbana, à BBC. "Os microplásticos ingeridos por esses organismos podem afetar seu crescimento e atrapalhar sua alimentação como um todo - e consequentemente impactar toda a cadeia de alimentação." Plânctons, por exemplo, são um alimento dos peixes, que, por sua vez, alimentam os humanos.
 
Outro estudo, realizado em 2015 no Imperial College London, de Londres, em parceria com especialistas da Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Holanda, e outros países, descobriu que o glitter é contabilizado entre os microplásticos que poluem o oceano, que são entre 15 e 51 trilhões de partículas.
 
Como consequência, essas partículas são proibidas, por exemplo, no Canadá, Estados Unidos e no Reino Unido. No Brasil, ainda é permitido, mas as movimentações para o uso de um paralelo biodegradável têm crescido.
 
O glitter é feito a partir de placas de PET ou PVC que são metalizadas com alumínio e, depois, tingidas com cores diferentes. “Depois desse processo, explica o americano Joe Coburn, um dos proprietários da fábrica de glitter RJA-Plastics GmbH, as placas de plásticos são revestidas novamente com uma camada transparente para tentar "segurar" sua cor e dar consistência ao alumínio. Essas placas são então cortadas em pequenas partículas e passam por uma máquina que tem um cilindro com 60 dentes rotativos de corte e uma faca - uma espécie de combinação entre um triturador de galhos e um triturador de papel”, explica a matéria.
 
Glitter de beterraba

 
O glitter feito com água de beterraba e gelatina não é tóxico e se decompõe na natureza. É o mesmo processo do confete feito com ajuda de um cortador de papel, a partir de folhas e flores. Aprenda a receita:
 
Confira o passo a passo para fazer o glitter sustentável:
 
Ingredientes:
1 colher de sopa de gelatina vegetal em pó
1/2 xícara de água de beterraba gelada
 
Material:
Borrifador de água;
Forma lisa;
Pincel largo e macio;
 
Modo de fazer

 
Coloque a gelatina em pó num pote de vidro e borrife a água de beterraba gelada uniformemente, sem misturar. Coloque no micro-ondas por 30 segundos, parando a cada dez segundos para misturar. Pincele a gelatina na superfície lisa escolhida - como uma forma, tapete de silicone ou algo do tipo. Deixe secar por no mínimo seis horas. Depois de seco, corte a folha em pedaços menores. Por fim, bata tudo no microprocessador ou liquidificador.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet