Olhar Conceito

Quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Mais de 30% dos óbitos no Brasil são provocados por doenças cardiovasculares, diz especialista

Dr. Juliano Slhessarenko

29 Ago 2019 - 16:48

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800

O Ministério da Saúde estima que 31,5% dos óbitos no Brasil são provocados por doenças cardiovasculares (DCVs), tornando-se esta a primeira causa de morte entre a população brasileira. A doença cardiovascular mata, por ano, 7,6 milhões de pessoas no mundo todo, devido às suas complicações como AVC, infarto, entre outras.

Leia também:
Falta de ar, fadiga, tosse e tonturas podem ser sintomas de uma cardiomiopatia
 
A hipertensão arterial e obesidade são consideradas as duas das maiores vilãs da saúde do coração. Segundo dados do Ministério, cerca de 30 milhões de brasileiros têm hipertensão e há outros 12 milhões de brasileiros que ainda não sabem que possuem a doença no Brasil. 
 
As  DCVs são a causa número 1 de mortes em todo o mundo: mais pessoas morrem anualmente de doenças cardiovasculares do que de qualquer outra causa. Estima-se que 17,9 milhões de pessoas morreram de DCV em 2016, representando 31% de todas as mortes globais. Destas mortes, 85% são devido a ataques cardíacos e derrames. 

Mais de três quartos das mortes por DCV ocorrem em países de baixa e média renda. Dos 17 milhões de mortes prematuras (com menos de 70 anos) devido a doenças não transmissíveis em 2015, 82% estão em países de baixa e média renda e 37% são causadas por DCVs.

A maioria das doenças cardiovasculares pode ser prevenida evitando-se comportamentais de risco, como uso de tabaco, dieta inadequada e obesidade, inatividade física e uso nocivo de álcool.

As pessoas com doença cardiovascular ou com alto risco cardiovascular (devido à presença de um ou mais fatores de risco, como hipertensão, diabetes, hiperlipidemia ou doença já estabelecida) precisam de detecção e tratamento precoces usando aconselhamento e medicamentos, conforme apropriado.
 
O que são doenças cardiovasculares?

 
As doenças cardiovasculares (DCVs) são um grupo de distúrbios do coração e vasos sanguíneos e incluem:
 
doença cardíaca coronária - doença dos vasos sanguíneos que suprem o músculo cardíaco;

doença cerebrovascular - doença dos vasos sanguíneos que alimentam o cérebro;

doença arterial periférica - doença dos vasos sanguíneos que suprem os braços e pernas;

doença cardíaca reumática - danos no músculo cardíaco e nas válvulas cardíacas da febre reumática, causadas por bactérias estreptocócicas;

cardiopatia congênita - malformações da estrutura cardíaca existentes no nascimento;

trombose venosa profunda e embolia pulmonar - coágulos sanguíneos nas veias da perna, que podem desalojar e passar para o coração e os pulmões.

Ataques cardíacos e derrames cerebrais são geralmente eventos agudos, e são principalmente causados ​​por um bloqueio que impede que o sangue flua para o coração ou cérebro.

A razão mais comum para isso é um acúmulo de depósitos de gordura nas paredes internas dos vasos sanguíneos que suprem o coração ou o cérebro. Derrames cerebrais também podem ser causados ​​por sangramento de um vaso sanguíneo no cérebro ou de coágulos sanguíneos.

A causa dos ataques cardíacos e derrames geralmente é a presença de uma combinação de fatores de risco, como tabagismo, alimentação inadequada e obesidade, sedentarismo e uso prejudicial de álcool, hipertensão, diabetes e hiperlipidemia. CVs são a causa número 1 de mortes em todo o mundo: mais pessoas morrem anualmente de doenças cardiovasculares do que de qualquer outra causa.
 
Os fatores de risco comportamentais mais importantes de doença cardíaca e acidente vascular cerebral são dieta não saudável, inatividade física, uso de tabaco e uso nocivo de álcool. 

Os efeitos dos fatores de risco comportamentais podem aparecer em indivíduos como pressão arterial elevada, aumento da glicose no sangue, aumento de lipídios no sangue e sobrepeso e obesidade.  Esses “fatores intermediários de risco” podem ser medidos em unidades de atenção primária e indicam um risco maior de desenvolver um ataque cardíaco, derrame, insuficiência cardíaca e outras complicações.
 
A cessação do uso do tabaco, redução de sal na dieta, consumo de frutas e legumes, atividade física regular e evitar o uso nocivo do álcool têm mostrado reduzir o risco de doença cardiovascular.

Além disso, o tratamento medicamentoso de diabetes, hipertensão e lipídios sanguíneos elevados pode ser necessário para reduzir o risco cardiovascular e prevenir ataques cardíacos e derrames. Políticas de saúde que criem ambientes favoráveis ​​para tornar escolhas saudáveis ​​acessíveis e disponíveis são essenciais para motivar as pessoas a adotarem e manterem um comportamento saudável.
 
Há também uma série de determinantes subjacentes de DCV ou "as causas das causas". Estes são um reflexo das principais forças que impulsionam as mudanças sociais, econômicas e culturais - globalização, urbanização e envelhecimento da população. 

Outros determinantes das DCVs incluem pobreza, estresse e fatores hereditários de risco, além de são dieta não saudável, inatividade física, uso de tabaco e uso nocivo de álcool.

Os efeitos dos fatores de risco comportamentais podem aparecer em indivíduos como pressão arterial elevada, aumento da glicose no sangue, aumento de lipídios no sangue e sobrepeso e obesidade. 
 
Você foi ao médico este ano ver como está seu coração? Não espere ele pedir socorro!

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet