Olhar Conceito

Quinta-feira, 02 de julho de 2020

Notícias / Gastronomia

Após três cânceres, historiadora serve comida saudável e ancestral para vencer novo desafio: esclerose múltipla

da Redação - Isabela Mercuri

25 Jan 2020 - 14:08

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Após três cânceres, historiadora serve comida saudável e ancestral para vencer novo desafio: esclerose múltipla
Há um ano, a historiadora e doutora em sociologia mato-grossense Silviane Ramos Lopes da Silva, 38, se deparou com um novo desafio ao ser diagnosticada com esclerose múltipla. Com quadro de doença neurodegenerativa, após vencer três cânceres e com uma série de restrições alimentares, ela precisou se reinventar e, para isso, usou de sua ancestralidade. Assim nasceu o ‘Tabuleiro da Pérola Negra’, em homenagem à sua mãe e com alimentos para todas as pessoas, boa música e cultura. Segundo sua definição, um ‘Quilombo Urbano’.

Leia também:
“Estou conseguindo vender Mato Grosso nos menus de alta gastronomia”, comemora chef após ‘Mestre do Sabor’

Tabuleiro fica na frente da casa de Silviane (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Silviane nasceu em Cáceres, e mudou-se para Cuiabá aos treze anos, para estudar. Por aqui, formou-se em história, fez mestrado em história e gestão pública e doutorado de sociologia na Universidade Federal de São Carlos (UFscar). A vida lhe pregou uma peça quando a esclerose apareceu.

“Eu sempre trabalhei com cultura”, contou ao Olhar Conceito. “Trabalhei um pouco na Secretaria de Cultura implementando políticas étnico-raciais, e aí não tem como fugir de falar sobre gastronomia, cultura, música, que são bem peculiares das comunidades quilombolas e tradicionais”.

A ideia de abrir o espaço veio logo depois do diagnóstico. “Foi por uma questão de gestão da sobrevivência e porque eu tenho restrições alimentares, e a comida ancestral é o que a gente tem como pauta do fit, do saudável, do vegano... não é nada diferente do que eu cresci comendo e que me fazia bem quando eu comia. E com essa coisa do frenesi cotidiano de capital, correria, a gente começa a comer os fast foods da vida e acaba ajudando”.

Diante das restrições, ela se voltou ao que conhecia de dentro de casa e dos estudos acadêmicos sobre os ancestrais. Lembrou-se também da mãe, auxiliar dietética da antiga Escola Agrotécnica Federal de Cáceres por 35 anos, que sempre servia os alimentos em casa em um tabuleiro. “Por isso que o nome é, inclusive, Tabuleiro da Pérola Negra. Minha mãe é a Pérola Negra”, explica.

Bolo de mandioca e de cenoura sem glúten (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Para trabalhar identidade, memória e sabores, ela queria preparar porções que fizessem o cliente se sentir em casa. No início, a ideia era fazer somente um café da manhã, mas como está sempre envolvida com arte, abriu a casa também à noite, para encontros culturais e gastronômicos.

No cardápio, de manhã, estão bolos de mandioca, de arroz, de cenoura e outras iguarias naturais. À noite, há uma variedade de caldos e sementes, além da ‘muamba’, prato típico angolano feito com mingau de milho e fubá, que pode levar legumes ou carnes. Para garantir segurança a quem – como ela – tem restrições alimentares, ela tem duas cozinhas: uma para os alimentos com glúten, e uma para os sem glúten. Assim, não corre o risco de ocorrer contaminação cruzada. Também há opções veganas.

'Muamba' angolana no tabuleiro (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Quando o sol vai embora o Tabuleiro começa suas noites temáticas: quinta-feira do vinil, sexta dos drinks, jazz e blues, sábado do forró, samba ou MPB e domingo de roda de Samba ou palco livre. A programação é sempre publicada nas redes sociais.

O espaço fica nos fundos da casa de Silviane e, desta forma, ela encontro uma espécie de cura. “Eu acho que é uma forma de curar. Quando você está conversando, quando você está trocando, você dispõe de outras energias, de fluidificar”, afirma. “Eu acredito muito nisso, por isso que eu tenho um jardim cheio de plantas, e me ocupa a mente. Eu elaborando, criando comidas para as pessoas. Porque o elaborar, o fazer, o cozinhar não é só o ato de... Cozinhar é amor, é ter elaborações, pensar no que você gostaria de receber, no que você pode dar, no que você pode ofertar”.

Não que seja fácil. “Eu sempre digo: é um dia de cada vez ressignificando o que é ser um dia de cada vez. Tem dia que eu não estou andando, e a crise da esclerose é assim. Mas chega alguém e eu me esforço, mesmo que tenha dor, para eu poder receber, porque eu também estou aprendendo a lidar com a doença. São duas situações de aprendizagem: a aprendizagem de receber na sua casa com as garantias comerciais, mas sem perder esse espírito acolhedor, e de como lidar com a minha casa-corpo e esse corpo estranho dessa doença que é autoimune e que eu tenho que gerir”.

O espaço ficará aberto para grupos de teatro e de música ensaiarem e, em breve, vai oferecer um home Studio a preços mais acessíveis. No Carnaval deste ano, o ‘Tabuleiro’ vai realizar alguns bailinhos tradicionais.

“É uma proposta de um quilombo urbano. O que era o quilombo? Era um lugar que reunia as pessoas que resistiam a essas frentes de opressão de todas as formas. Então nesse contexto que a gente está também é um respiro”, finaliza.

Silviane com o livro, resultado de seu mestrado (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Serviço

Tabuleiro da Pérola Negra
Café da manhã: Sábados e domingos, das 7h30 às 11h30
Bar / restaurante: Quinta a domingo, a partir das 19h
Endereço: Rua Aroeira número 210 Jardim Gramado
Cuiabá, Brazil
FACEBOOK / INSTAGRAM

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cecilia
    12 Mai 2020 às 15:04

    Vc é dez. A sua história me deu força para ajudar pessoas que estão precisando da força que vem de vc. Um abraço.

  • Ivonete Giachini
    30 Jan 2020 às 21:20

    Fui sua aluna há algum tempo, mas a melhor aula foi essa, exemplo de superação. Tem o meu respeito e admiração.

  • Efa Forte
    27 Jan 2020 às 10:09

    Essa professora é uma lutadora. É de origem quilombola, oriunda da cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade. Que Deus continue dando força para que ela continue lutando. É um exemplo de superação admirável.

  • Lucimar de vg
    27 Jan 2020 às 06:23

    Bla-bla-bla...

  • Rosa Maria Amaral
    26 Jan 2020 às 15:38

    Eu quero dizer , que. Eu me emocionei com sua história de vida!! Deus a abençoe com saúde e continue te dando força, fé e alegria! Nunca desista, tenha sempre bom ânimo !! Qdo for a Cuiabá irei visitá-la ????! ????????????

  • Maria Alice Pedra 90
    26 Jan 2020 às 11:55

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Luzia
    26 Jan 2020 às 07:08

    Eu trato uma doença autoimune (alergia alimentar) através da alimentação com nutricionista Ira Arruda, ela é referência em Cuiabá e atende tanto em consultório particular como no SUS via Hospital Júlio Muller. Meus resultados estão sendo surpreendentes. Parabéns pelo restaurante e melhoras para você!

  • Maria Antônia del Santo
    25 Jan 2020 às 18:22

    Só delícias ???? com essas mãos d3 fada sua e de sua mãe ñ poderia ser diferente .desejo mto sussesso no seu nova empreendimento logo iremos aí novamente

Redes Sociais

Sitevip Internet