Olhar Conceito

Sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Notícias / Cinema

Cine Teatro exibe curtas de cineastas mato-grossenses nesta semana pelo Facebook

Da Redação - Isabela Mercuri

20 Abr 2020 - 16:39

Foto: Reprodução

Aquele disco da Gal será um dos filmes exibidos

Aquele disco da Gal será um dos filmes exibidos

Cinco curtas-metragens produzidos por cineastas mato-grossenses são exibidos na ‘Temporada de Filmes’ do Cine Teatro de Cuiabá a partir desta terça-feira (21) a noite. As produções fazem parte da iniciativa “Box de Curtas”, conduzida pela produtora executiva Bárbara Varela.

Leia também:
Podcast mostra visões de diferentes religiosos sobre como manter a fé na quarentena
 
Os filmes são exibidos sempre a partir das 19h30 de terça-feira. Nesta semana, serão exibidos: “A gente nasce só de mãe” (Caru Roelis, 2017, 20’, classificação indicativa 10 anos), “Aquele disco da Gal” (Juliana Curvo & Diego Baraldi, 2017, 25’, classificação indicativa 16 anos), “Ciranda” (Ângela Coradini & Felippy Damian, 2017, 30’, classificação indicativa 16 anos), “Juba” (Severino Neto & Rafael de Carvalho, 2017, 19’, classificação indicativa livre) e “Teodora quer dançar” (Samantha Col Debella, 2017, 22’, classificação indicativa 12 anos).
 
De acordo com a assessoria, o “Box de Curtas” envolveu a associação e colaboração de empresas produtoras contempladas pelo Edital de Produção de Obras Audiovisuais SEC/MT e FSA, direcionado à realização de obras audiovisuais. Com a parceria, foi possível desenvolver os cinco filmes em 2017, de três produtoras proponentes e oito diretores, em um sistema de produção cooperado.

A produtora executiva dos cinco projetos propôs aos diretores e produtoras um modelo a partir da soma de orçamentos individuais, para obter maior poder de contratação e barganha. O objetivo foi dispor, para todos os departamentos envolvidos nas produções, equipamentos e tecnologias avançadas para o padrão regional, além de recursos humanos e técnicos compatíveis com as necessidades de cada projeto, de modo a garantir melhores resultados e atender expectativas singulares de cada realizador.

Dos 53 profissionais contratados no contexto do “Box de Curtas” em 2017, apenas oito não eram de Cuiabá ou de Mato Grosso (gaffer, 1º assistente de câmera, platô, diretora de arte, operador de som direto, microfonista, logger e diretor de produção). Profissionais locais, por terem maior envolvimento com o setor de publicidade, aceitaram a proposta de produção dos curtas a partir de um acordo financeiro que envolveu volume de produção (ganho concentrado por escala), cachês próximos aos praticados nos grandes mercados e a possibilidade de realização em curto espaço de tempo.

“A equipe de fora que integrou-se localmente foi selecionada de acordo com a proposta, que envolvia intercâmbio profissional e capacitação por meio da convivência profissional; isso trouxe novas perspectivas para a equipe local, bem como para os profissionais em início de carreira, que tiveram a oportunidade de se aprofundar em cada segmento específico da produção”, enfatiza Varela.

Agora, a produtora executiva prepara-se para o lançamento da segunda edição do “Box de Curtas” que, assim como a de 2017, terá sua avant première em sessão no Cine Teatro Cuiabá. Integram o novo “Box de Curtas” os filmes “O menino e o ovo”, de Juliana Capilé, “O conto da perda”, de Ângela Coradini e “Ausência”, de Luiz Marchetti.

A ‘Temporada de Filmes Edição Especial’ integra a Programação Cultural Online da Quarentena do Cine Teatro Cuiabá, que semanalmente compartilha, pela internet, conteúdos culturais diversos, com atrações diárias. Esta semana a ação envolve parceria entre realizadores dos filmes compartilhados, o Cine Teatro Cuiabá, o Cineclube Coxiponés da UFMT e a REC-MT (Rede Cineclubista de Mato Grosso).
 
Veja a sinopse dos filmes que serão exibidos:

“A gente nasce só de mãe”
(Caru Roelis, 2017, 20’, classificação indicativa 10 anos)

Retrata a história de Emilly Barbosa (Edilaine da Silva), uma adolescente de 17 anos vivendo em situação precária com seus dois irmãos e o filho recém-nascido na periferia de Várzea Grande-MT. Desde que a mãe (Bia Corrêa) foi morar com o namorado, a pobreza de Emily se agrava e um corte de energia incita uma enorme tragédia. Exibido em dezenas de mostras no Brasil e exterior, “A gente nasce só de mãe” foi eleito o melhor curta mato-grossense pelo júri oficial da MAUAL 2018 (17ª Mostra de Audiovisual Universitário e Independente da América Latina, realizada pelo Cineclube Coxiponés da UFMT).

“Aquele disco da Gal” (Juliana Curvo & Diego Baraldi, 2017, 25’, classificação indicativa 16 anos)

Mariana (Tatiana Horevitch) decide deixar o apartamento onde viveu por mais de uma década com o agora ex-marido Henrique (Luciano Bertoluzzi) e com a filha adolescente Natália (Gabriela Iaia). Natália contraria a mãe e decide permanecer em casa com o pai. Juntos, pai e filha aprendem a lidar melhor um com o outro. O curta foi o selecionado de Mato Grosso para a Mostra SESC de Cinema 2018, o que garantiu ao filme a possibilidade de circular em todas as unidades do SESC no Brasil que contam com salas de difusão audiovisual.

“Ciranda” (Ângela Coradini & Felippy Damian, 2017, classificação indicativa 16 anos)

Apresenta a história de Raul (Leo Moreira Sá), homem transgênero de 51 anos, e Larissa (Carla Tausz), professora de balé de 57 anos, que anunciam a Marcos (Romeu Benedito), professor de 39 anos, que irão se casar na próxima semana. Naquela mesma noite, junto com amigos, eles comemoram a decisão na casa de shows Paraíso, em uma apresentação inspiradíssima da personagem Tina Mon Amour, interpretada há longa data por Raul nos palcos. A semana que antecede o casamento é atribulada e muitos atritos são resolvidos um dia antes do casamento. Este é o episódio-piloto de “Ciranda”, projeto de série ficcional de 13 episódios inspirada no poema “Quadrilha” de Carlos Drummond de Andrade.

“Juba” (Severino Neto & Rafael de Carvalho, 2017, 19’, classificação indicativa 12 anos) Conta a história da personagem homônima (Mariana Mendes), uma jovem que ganha dinheiro fazendo malabares nas ruas de Cuiabá. Em uma dessas raras oportunidades que a vida oferece, Juba e seus companheiros de trabalho recebem uma proposta irrecusável. Porém, mesmo com tudo combinado, alguns detalhes do seu complexo cotidiano tornam a decisão mais difícil do que parece. O filme teve carreira exitosa em festivais e mostras de cinema no Brasil e exterior. Marcelo Biss, diretor de fotografia de todos os filmes do “Box de Curtas”, recebeu vários prêmios pelo trabalho em “Juba”.

“Teodora quer dançar” (Samantha Col Debella, 2017, 22’, classificação indicativa 16 anos)

Um jovem bem sucedido (Filipe Ribeiro) desestrutura sua carreira ao se apaixonar por  uma mulher misteriosa (Mariana Badan) e buscar  um amor que ele nunca poderá viver. O filme é uma leitura contemporânea de uma lenda urbana de Cuiabá, onde uma mulher de máscara seduzia os rapazes nos bailes da década de 1940. Entre os diversos festivais e mostras no Brasil e exterior em que participou, o curta recebeu os prêmios de melhor direção de arte e de interpretação (Mariana Badan) no Cine Pernambuco 2018.
 
Cine Comentário Sonoro
 
Ainda nesta semana, o Cine Teatro divulga o ‘Cine Comentário Sonoro’, em que os realizadores envolvidos na direção dos curtas vão compartilhar memórias e informações relacionadas à produção de seus filmes, através de uma faixa de comentário sonoro que é posteriormente integrada aos curtas.

A série acontece entre quarta-feira e domingo (22 a 26 de abril), sempre às 19h, na página do Facebook do Cineclube Coxiponés. Na quarta (22/04), Severino Neto e Rafael de Carvalho lembram da realização de “Juba”; na quinta (23/04), Samantha Col Debella conta histórias sobre “Teodora quer dançar”; na sexta (24/04), Caru Roelis discorre sobre o processo de produção de “A gente nasce só de mãe”; no sábado (25/04), Juliana Curvo e Diego Baraldi conversam sobre “Aquele disco da Gal”; e no domingo (26/04), Felippy Damian e Ângela Coradini trazem à tona lembranças sobre a realização de “Ciranda”.
 
Serviço
 

Edição Especial da Temporada de Filmes do Cine Teatro Cuiabá, com difusão online de filmes do Box de Curtas (“A gente nasce só de mãe”, “Aquele disco da Gal”, “Ciranda”, “Juba” e “Teodora quer dançar”).
Quando: A partir das 19h30 de terça-feira, 21 de abril de 2020.
Onde: facebook.com/cineteatrocuiaba
Classificação indicativa: a ser consultada
Mais informações pelo email: pautacineteatrocuiaba@gmail.com

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet