Olhar Conceito

Domingo, 29 de novembro de 2020

Notícias / Saúde e Beleza

Alunos de Cuiabá ‘migram’ para academia de Várzea Grande e empresário soma R$60 mil em dívidas

Da Redação - Isabela Mercuri

12 Mai 2020 - 14:08

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Alunos de Cuiabá ‘migram’ para academia de Várzea Grande e empresário soma R$60 mil em dívidas
Foram 40 dias de portas fechadas, mas, desde a última segunda-feira (4), a academia ‘AFVG’ reabriu, seguindo o decreto municipal da prefeita Lucimar Campos. Como em Cuiabá não há nem perspectiva de quando o mesmo acontecerá, cerca de 30% dos alunos decidiram migrar para a cidade vizinha. Para o empresário Gil Melo, foi um respiro, já que suas dívidas já somam R$60 mil.

Leia também:
Isolamento pode agravar sintomas e levar à depressão pós-parto: Veja como ajudar
 
Para conseguir se manter funcionando, a academia de Gil segue as recomendações da Associação Brasileira de Academias (Acad): instalação de pias (uma fora e uma dentro da academia), espaço para higienização dos tênis, distanciamento entre os aparelhos (na AFVG, por exemplo, alguns foram retirados para aumentar o espaço), obrigação do uso de máscaras, higienização constante das superfícies com gel e controle da quantidade de pessoas no local ao mesmo tempo.




 
“Pra nós é muito fácil fazer este controle devido à  catraca. Eu tenho 450 metros quadrados, então eu posso até 28 pessoas, contando meus instrutores. Se passar deste número eu seguro, a pessoa espera lá fora, aí quando sai um, entra o outro”, explica o empresário. Os idosos e outras pessoas de grupos de risco são orientadas a não ir ao local.
 


A reabertura em Várzea Grande foi um alívio para Gil. A unidade de Cuiabá, no entanto, já está há quase dois meses sem receber os clientes, o que o preocupa. “Nós estamos bem decepcionados com a realidade que ele [Emanuel Pinheiro] vem passando pra nós a cada decreto. Nós estávamos confiando que agora dia 18 iríamos voltar, e ele deixou claro que é pra 10 de junho, podendo prorrogar pra agosto... então, meu Deus, não tem microempresa que aguenta. Só em Cuiabá, mais de 20 academias não abrirão mais, porque não tem estrutura de capital de giro, não aguenta”, lamenta.
 
O prefeito, por outro lado,  afirmou ao Olhar Direto na última segunda-feira (11) que, mesmo sendo “simpático” aos problemas econômicos que alguns segmentos ainda enfrentam na Capital, como shopping centers e academias, as atividades seguem sem uma data prevista para poder funcionar. Inicialmente, a Prefeitura disse que iria liberar os setores mediante a elaboração de um plano com critérios de reabertura, mas até o momento nenhuma proposta foi apresentada.
 
Atividade essencial

 


As ordens do Palácio do Planalto, no entanto, seguem para outro lado. Também na segunda-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que assinaria um decreto colocando academias, salões de beleza e barbearias como serviços essenciais. Gil concorda.
 
“Eu acho que ele [Bolsonaro] é uma pessoa mais sensata em relação a isso aí, tanto que provou agora com esse decreto, falando que nós somos uma atividade essencial, então isso, mesmo não interferindo – o que é um absurdo, um presidente fazer um decreto e depender de governador e prefeito para ser regulamentado dentro da cidade – mas já fortaleceu a nossa classe”, afirma.
 
Para o educador físico, é necessário cuidar da saúde também para enfrentar o vírus, e isso não é suficiente quando feito em casa. “O grande problema de toda a situação é que as pessoas que eram treinadas, hoje são destreinadas. Isso é fisiológico. Cada semana que você fica sem treinar, são três semanas pra voltar na resistência em que se estava. O corpo é muito ingrato nisso. As que não eram treinadas, hoje estão doentes”, lamenta.
 
“A metodologia da AFC é o treinamento levado a sério. Eu não posso ser hipócrita de falar que uma pessoa vai ter ganho de massa muscular dentro de casa. Porém, nossa equipe fez algumas atividades pra tentar manter a condição física, mas até isso é difícil. O corpo se adapta muito rápido ao estímulo, e com o peso corporal, em dez dias já está sendo um treino de baixa intensidade. A gente acredita que para o aumento da força, da resistência, tem que ter um treino de alta intensidade, e isso a gente só consegue dentro da academia”, finaliza.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet