Olhar Conceito

Quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Cardiologista fala sobre quatro ameaças inusitadas à saúde do coração

Dr. Juliano Slhessarenko

29 Jun 2020 - 08:53

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Cardiologista fala sobre quatro ameaças inusitadas à saúde do coração
Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800.

💔COVID 19 ou Coronavírus
 
À medida que o novo coronavírus se espalha pelo mundo, ele adoece principalmente as pessoas ao afetar seus pulmões. Mas agora está ficando claro que o golpe final para as pessoas que não sobrevivem pode estar no coração. Para os mais de 120 milhões de adultos brasileiros que vivem com doenças cardíacas, incluindo muitos de meus pacientes, esses são tempos compreensivelmente angustiantes.

Leia também:
Cardiologista explica o que saber sobre a automedicação nos tempos de pandemia
 
A experiência dos médicos de terapia intensiva que administram o covid-19 aponta para uma curva perigosa que muitos pacientes tomam. Embora a síndrome se desenvolva lentamente, em algumas pessoas vulneráveis, ela pode acelerar rapidamente, causando parada respiratória e exigindo respiração artificial com ventiladores mecânicos.
 
No entanto, os pacientes que acabam morrendo,  na verdade morrem de insuficiência cardíaca e não respiratória.
       
Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças listam idosos e pessoas com doenças cardíacas, pulmonares e diabetes como os principais grupos de alto risco nessa pandemia. Dados publicados na revista Lancet de pacientes internados em hospitais de Wuhan com covid-19 mostram que, embora nem todos os pacientes tenham danos ao coração, pode ser um sinal ruim para aqueles que sofrem: evidências de lesão cardíaca foram observadas em 59% dos pacientes.  Principalmente para aqueles que morreram contra apenas 1 por cento dos sobreviventes.
 
Infecção grave por covid-19 pode causar inflamação maciça em todo o corpo e, se afetar o coração, as consequências podem ser terríveis. Ritmos cardíacos rápidos e anormais foram responsáveis ​​por 44% dos pacientes de Wuhan serem transferidos para a unidade de terapia intensiva. Testes de laboratório de proteínas humanas chamadas troponinas, que podem indicar danos ao músculo cardíaco, podem indicar quais pacientes provavelmente irão se sair mal.
 
Embora as complicações cardíacas ameaçadoras geralmente ocorram no final da maioria dos pacientes com covid-19, alguns pacientes raros apresentam inicialmente uma inflamação extensa do coração.
 
As doenças cardiovasculares são líderes em morte no mundo.
Existem  fatores que podem ameaçar a saúde do seu coração e que você não sabia.
 
💔 DOENÇAS INFLAMATÓRIAS
 
Pesquisadores da Clínica Mayo descobriram que a artrite reumatoide pode ser considerada um fator de risco para doenças do coração, altas quantidades de moléculas inflamatórias no corpo dos pacientes com artrite reumatoide podem aumentar o risco de doença cardíaca.
 
Outras doenças bem mais comuns, como obesidade e diabetes tipo 1, também são inflamatórias e aumentam o risco cardíaco quando descontroladas. O tecido adiposo é um grande produtor de substâncias inflamatórias - e os adipócitos (células de estoque da gordura) aumentam em número e volume com a obesidade.
 
Já no caso do diabetes tipo 1, o excesso de glicose no sangue pode lesionar a parede das artérias, causando inflamações que podem corroborar com um aumento do risco de eventos cardiovasculares.
 
💔TEMPERATURAS BAIXAS
 
Um grupo de pesquisadores da London School of Hygiene and Tropical Medicine encontrou uma relação entre a temperatura do ambiente e o risco de ataque do coração, isso porque nos dias frios, o corpo humano reage naturalmente à mudança de temperatura gerando uma vasoconstrição das artérias e isso resulta em um aumento da pressão arterial.
 
💔DESASTRES NATURAIS

Segundo dados levantados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia esses eventos realmente tem um efeito sobre a saúde do nosso coração. A organização descobriu que o sentimento de perda, a pressão psicológica, a ansiedade e o estresse a que é submetida uma população afetada ou mesmo aquela que assiste ao desastre atuam para elevar a pressão arterial e a frequência cardíaca, causando um aumento significativo do número de infartos.
 
O Ministério da Saúde recomenda que as pessoas de alto risco, como as portadoras de doenças cardíacas, tomem todas as mesmas precauções que se aplicam a todos no momento - fiquem em casa, evitem multidões, limpem as mãos e usem máscaras.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet