Olhar Conceito

Terça-feira, 24 de novembro de 2020

Notícias / Saúde e Beleza

"É mais que um corte, faz bem para o emocional", diz cabeleireiro sobre autoestima das clientes

Da Redação - José Lucas Salvani

17 Nov 2020 - 14:13

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Jefferson Marcos Rodrigues Correia, de 26 anos, acredita que o cabelo é uma peça fundamental para a autoestima das pessoas. Ele relata que já teve casos de clientes que chegaram com a autoestima baixa no salão onde trabalha, porém que ficaram mais felizes graças ao seu trabalho.

Leia mais:
Maquiador inicia carreira escondido dos pais e sonha em ter uma escola de maquiagem

“Tenho até mensagens de clientes dizendo que consegui atingir o objetivo delas. Às vezes, a cliente me pede uma coisa na cadeira e, de repente, faço outra, então quando vê, ela fica super emocionada”, conta ao Olhar Conceito. “É muito mais [que um corte]. Isso faz bem para o meu emocional por estar desenvolvendo um bom trabalho para a cliente. Para mim, não tem explicação essas coisas, quando eu atinjo o objetivo delas, eu fico mais feliz. Me dá mais vontade de investir na área”.

Apesar de ser bem jovem, a carreira do cabeleireiro soma quase 10 anos. Até se estabelecer no atual salão onde trabalha, ele passou por outros três estabelecimentos e acredita que deve permanecer como cabeleireiro até o fim da vida. “Sempre quis isso. Ser cabeleireiro é meu ponto forte de trabalho. Eu amo fazer o que faço. Acho que vou permanecer assim”.

Jefferson começou a dar indícios de que seguiria a profissão de cabeleireiro ainda adolescente. Apoiado pela mãe e irmã, ele começou a praticar dentro de casa. “Eu comecei atendendo minha mãe e irmã em casa, praticando com o cabelo delas. Vi que me interessei porque eu gosto de fazer transformação. Para mim, é muito graficamente virar a cliente para o espelho e ela ver o resultado de um trabalho muito bom".

Além do apoio dentro de sua própria casa, Jefferson contou com o apoio de um tio para começar a se profissionalizar. Ele pagou os primeiros cursos do sobrinho que passou a realmente enxergar a prática como uma profissão. Ele começou trabalhando como auxiliar e, cerca de três anos depois, já tinha sua própria cadeira em um dos principais salões de beleza cuiabanos.

“Sempre ouço os pontos que a cliente vai me dizendo sobre cada característica do cabelo. Nisso, eu consigo formar uma técnica que desenvolvo para ela ver um resultado melhor. [O objetivo] é sempre acertar o resultado desejado”, disse. “Cabelo é um sonho. A gente conquista é o sonho de um cabelo de uma cliente", conclui.

Para acompanhar o trabalho de Jefferson, clique aqui.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet