Olhar Conceito

Segunda-feira, 08 de março de 2021

Notícias / Comportamento

Movimento Hip Hop de Combate às Drogas distribui máscaras, faz carreata e live em frente à Ilha da Banana

Da Redação - José Lucas Salvani

16 Jan 2021 - 10:07

Foto: Ilustração

Movimento Hip Hop de Combate às Drogas distribui máscaras, faz carreata e live em frente à Ilha da Banana
A sexta edição do Movimento Hip Hop de Combate à Drogas, na próxima semana, irá distribuir máscaras, realizar carreata e um show em frente à Ilha da Banana com DJ Taba, MC Mano Raul, rappers e grafite. A programação começa na próxima quarta-feira (20), com uma palestra com o terapeuta da área, Clereston Simões, em uma live no Facebook.

Leia mais:
Live de samba em Cuiabá, série da Marvel e mais: programas para fazer em casa neste final de semana; veja lista

Na quinta-feira (21), o DJ Taba irá comandar uma live com a linguagem do hip hop. “Sendo que a linguagem hip hop é uma linguagem de rua e também geradora de reinserção no mercado de trabalho”, fiz Luciene Carvalho, integrante da Academia Mato-grossense de Letras (AML).

Já na sexta-feira (22), um carro com LED irá distribuir máscaras para dependentes químicos em praças e morros de Cuiabá a partir das 18h. O carro começa a transitar na Rua Feliciano Galdino, no Porto, passando pela Praça, onde será feita a entrega de algumas máscaras. O grupo também irá passar pelas Praças Ipiranga e Maria Taquara, como também Morro da Luz e Bedo do Candeeiro.

Uma live está prevista para ser realizada às 19h20, em frente à Ilha da Banana, onde será feito um grafite ao vivo, além de slam, um estilo de declamação poética falando sobre a experiência com dependência química. 

Haverá colocação de faixas em bairros com o mote da campanha. São oito banners pela cidade com faixas repetindo que dependência química é doença. “Esperamos ter contribuído para a construção de um novo pensamento, de um novo olhar para a questão da dependência química, novas ações pretendem ser feitas para que professores saibam lidar com a mudança de comportamento dos alunos. Que assistentes sociais saibam como lidar com o fenômeno da dependência química”, frisa Luciene.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet