Olhar Conceito

Terça-feira, 27 de julho de 2021

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Dr. Juliano Slhessarenko

Médico alerta: "não pare de tomar seus remédios sem o conhecimento do seu cardiologista"

Dr. Juliano Slhessarenko

20 Jul 2021 - 11:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, Clínica Coração em Dia (65) 99624-1928 e Espaço Piu Vita (65) 30567800

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, Clínica Coração em Dia (65) 99624-1928 e Espaço Piu Vita (65) 30567800

A prevalência de interrupção da medicação para o coração é um problema significativo e potencialmente fatal para pacientes cardíacos. As diretrizes ACC/AHA para tratamento e prevenção secundária após síndrome coronariana aguda (SCA) identificam estratégias de medicação destinadas a otimizar o atendimento.
 
Essas diretrizes sugerem que pacientes com infarto do miocárdio (IM)) recebam alta com cinco medicamentos em 4 classes essenciais - bloqueadores beta (BB), inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA), terapias de redução do colesterol (CLT, por exemplo, inibidor de absorção de colesterol, inibidor de HMG CoA redutase, ácido fíbrico ou ácido nicotínico) e agentes antiplaquetários. No entanto, enquanto orientações  existem, pesquisas indicam que os pacientes freqüentemente não aderem aos medicamentos prescritos para o coração.
 
Dados do Duke Databank for Cardiovascular Disease indicam que os pacientes com doença arterial coronariana variaram em abandono de 17% a 61% para aspirina, agentes hipolipemiantes, BB e a combinação de todos os três. O abandono destes e de outros medicamentos para o coração varia  em outros estudos de 13 - 58% .
 
Mais preocupantes são aqueles pacientes que não apenas não cumprem, mas estão descontinuando um medicamento essencial. Por exemplo, CLTs são especialmente importantes no que diz respeito à redução do risco de acidente vascular cerebral e morte por doença coronariana.
 
No entanto, as taxas de descontinuação de CLTs em 1 ano variam de 15% a 60%, dependendo da população, cenário ou ano  estudado. Um estudo canadense recente descobriu que até 54% dos usuários de CLT interromperam o uso por um período de 90 dias ou mais durante o primeiro ano de uso. Estudos com pacientes dos Brasil relatam resultados semelhantes. No registro GRACE, 13% dos pacientes ambulatoriais com doença arterial coronariana não estavam mais tomando CLTs 6 meses após a hospitalização por Infarto. Trabalhos anteriores  demonstraram que, entre os pacientes que receberam alta com CLTs, aqueles que interromperam a medicação em 1 mês tiveram menor sobrevida em 1 ano.
 
O clopidogrel, uma terapia antiplaquetária essencial, também é recomendado para uma grande porcentagem de pacientes cardíacos por 12 meses após o tratamento com um stent farmacológico (SF). Em um estudo anterior, descobrimos que 14% dos pacientes em um registro nacional de pacientes com infarto do miocárdio que receberam Stent farmacológicos após um infarto do miocárdio tinham  interrompido os anti-agregantes plaquetarios dentro de um mês de tratamento, muito aquém da duração recomendada da terapia. Esta interrupção prematura foi associada ao dobro da taxa de reinternação e nove vezes o risco de morte durante  nos próximos 11 meses.
 
Pesquisas anteriores indicam que as taxas de descontinuação variam de acordo com a classe de medicamentos para o coração, sugerindo que diferentes razões podem estar subjacentes à descontinuação prematura de medicamentos específicos pelos pacientes. Os motivos da descontinuação são provavelmente multifacetados (custos, contra-indicações, conhecimento), e as características dos pacientes que descontinuam os medicamentos prematuramente são diversas. Pesquisas anteriores procuraram com mais frequência quantificar o problema, concentrando-se nas variáveis ​​sociodemográficas e clínicas, em oposição às do paciente  perspectiva e valores.
 
A razão mais comum para a interrupção do Remedios para colesterol (CLT) foram os efeitos colaterais adversos que eram dolorosos e interferiam na vida diária.  Razões menos comuns para a descontinuação foram confusão com a prescrição, custo, desconfiança em medicamentos/sistema de saúde e preferência por terapias alternativas. 
 
As razões para a descontinuação do clopidogrel (remédio usado após infarto e após angioplastia coronariana com stent) foram confusão de duração, efeitos colaterais e custo. Embora os médicos tenham interrompido o clopidogrel dos pacientes em preparação para a cirurgia, os médicos admitiram a descontinuação da CLT para pacientes que experimentaram efeitos colaterais após tentarem 2 a 3 CLTs diferentes. 
 
Os pacientes que descontinuaram a CLT eram mais propensos a acreditar que não precisavam do tratamento do que os pacientes que descontinuaram o clopidogrel. Os médicos devem estar cientes de que os motivos podem variar entre os pacientes e as classes de medicamentos para a interrupção prematura da terapia; portanto, intervenções proativas devem ser direcionadas para lidar com essas diferenças. Identificar pacientes em risco para intervenções direcionadas para prevenir a descontinuação prematura da medicação cardíaca é vital.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet