Olhar Conceito

Sábado, 13 de julho de 2024

Notícias | Turismo

RETIRO DE IMERSÃO

Aldeia Wazare da etnia Haliti-Paresi contará com programação terapêutica entre julho e setembro

Foto: Reprodução

Aldeia Wazare da etnia Haliti-Paresi contará com programação terapêutica entre julho e setembro
Depois da edição de 2023, estão programados mais dois retiros terapêuticos na aldeia Wazare/Haliti-Paresi, com 40 vagas disponíveis. O primeiro deles entre 20 e 21 de julho, e o segundo nos dias 21 e 22 de setembro. A proposta é unir o método internacional da escritora best-seller Louise Hay, que propõe que 'você pode curar sua vida', com a vivência em um território indígena mato-grossense. 

 
Leia também
Ponto turístico centenário do RJ foi casa de socialite cuiabana conhecida como ‘Marechala da Elegância’

A imersão será em dois momentos diferentes, na aldeia que fica no município de Campo Novo do Parecis (396 km de Cuiabá). A organizadora e facilitadora, Marilei Bahnert, afirma que o objetivo de estar neste santuário natural é gerar uma profunda conexão entre corpo, mente, emoções e espírito. "O resultado pode ser surpreendente, profundo e ressignificar a nossa própria existência".
 
O retiro é uma proposta inovadora e inédita (no mundo) que utiliza o método, que já é reconhecido em pelo menos 70 países, com ótimos resultados em reprogramação mental, mudança de mindset, limpeza de crenças limitantes, padrões ou ciclos repetitivos, aliado à cultura ancestral do povo indígena.
 
"A programação inclui exercícios de meditação-guiada, introspecção e liberação de padrões emocionais, respiração consciente, reprogramação mental, cura da criança interior, identificação e liberação de crenças familiares e limitantes", explica Marilei que é neuropsicopedagoga e facilitadora certificada do método.
 
Apaixonada por desenvolvimento humano, a servidora pública buscou fazer cursos sobre como aliar o conhecimento neurocientífico às técnicas de reprogramação mental na busca pela qualidade de vida, expansão de consciência, saúde mental e equilíbrio emocional. "A ciência já nos mostra que muitas doenças são geradas a partir de padrões mentais tóxicos, por isso é fundamental o processo de autoconhecimento para nos ajudar a mudar crenças que nos influenciaram a vida toda", acrescentou Marilei.
 
Durante o retiro, os visitantes também poderão participar de rituais promovidos pela aldeia Haliti-Pareci/Wazare, na Terra Indígena Utiariti, conduzidos pelo cacique Rony Azoinayee. Desde dezembro de 2021, a Aldeia Wazare tem Carta de Anuência da Funai para a atividade de visitação com fins turísticos na modalidade de etnoturismo e turismo cultural indígena de vivência. 
 
O Cacique Rony Pareci explica que as visitas à aldeia sempre acontecem aos fins de semana, previamente agendadas e com número limitado de visitantes. Além do benefício terapêutico, a programação busca desmistificar a relação com os povos indígenas, a partir do intercâmbio cultural e vivências. "Não tem uma cultura que seja melhor que a outra, por isso incentivamos a cooperação entre os povos".
 
A artista Larissa Gomes Krampe, 26 anos, que participou do retiro no ano passado, conta que trocou o curso de medicina veterinária pelas artes, na pintura e na música, porque já estava no caminho de transformação pessoal que trouxesse maior propósito e bem-estar. "Quanto mais a gente se expande para dentro, mais expande para fora, estar na aldeia foi um momento especial, mágico, que também me ajudou a lidar com questões profundas e assim continuar reescrevendo com coragem a minha história".
 
Cronograma
 
Em julho, o início será em 20 de julho (sábado), das 8h às 21h, e em 21 de julho (domingo), das 8h às 16h. Em setembro, as atividades serão em 20 de setembro (sábado), das 8h às 21h, e em 22 de setembro (domingo), das 8h às 16h. Está incluso na inscrição hospedagem com pernoite em moradia tradicional indígena ou barraca camping às margens do rio, além das refeições nos dois dias.
 
Método Louise Hay
 
No livro "Você pode curar sua vida", que vendeu 65 milhões de cópias em 35 países, a escritora norte-americana Louise L. Hay conta sua história em que a maior parte da infância suportou trabalho pesado e abusos físicos e sexuais. Em razão desse contexto, ela teve adoecimento emocional e físico. Louise, que morreu em 2017, aos 90 anos, defende que conseguiu se curar de um câncer a partir da reelaboração de emoções e pensamentos advindos de traumas e acontecimentos negativos. O método criado por ela ensina outras pessoas a fazerem o mesmo movimento.
 
Serviço

Outras informações no site https://toquedeemidas.com/retiro/. As vagas são limitadas, para fazer inscrição acesse o link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd-p3w3HBp6hMD6xzl5y2EFV_e-bbnbTNn5_LlfWTv6EM5Fxg/viewform
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet