Olhar Conceito

Domingo, 26 de setembro de 2021

Notícias / Moda

marca de mato grosso

João Sebastião retrata essência brasileira em peças de bijuteria com muitas cores, formas, fauna e flora; Conheça

Da Redação - Marianna Marimon

15 Jan 2014 - 09:02

Foto: Reprodução

João Sebastião retrata essência brasileira em peças de bijuteria com muitas cores, formas, fauna e flora;  Conheça
A essência brasileira é traduzida nas peças de bijuteria do designer, arquiteto e apaixonado por moda, João Sebastião. Mesmo não se considerando um artista, o jovem começou a perseguir o seu sonho após se mudar para São Paulo e lançar a sua marca, e com isso, revelou todo o primor do seu trabalho. Mas, a relação com a moda começou no início da vida, quando aos 10 anos, João Sebastião fazia bijuterias com as miçangas de sua prima. E assim, de lá para cá, se formou em arquitetura pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pós-graduação em Negócios da Moda na Anhembi Morumbi. O talento é inegável e o reconhecimento já começa a avançar por todo o Brasil, após a cantora e atriz Gaby Amarantos usar um brinco de arara no programa TV Xuxa da Globo.

Leia também: Academia Mato-grossense de Letras inicia ano com exposição que rememora trajeto desde 1921

Pronto. A marca João Sebastião agora possui inserção em todo o território nacional. Conquistou o coração dos globais e entra oficialmente nas tendências brasileiras. As peças do artista traduzem as influências da cultura brasileira, do folclore, da fauna e da flora. Aos mato-grossenses, o sentimento é de poder ter tudo aquilo que sua terra representa em um brinco, um colar, bracelete ou anel. Trazer Mato Grosso para o Brasil, e agora o Brasil para o mundo.

“Comecei com apenas 10 anos a fazer bijuterias. O interesse pela moda veio juntamente com esses trabalhos. Aos 12 anos eu ia até a banca de revistas comprar Recreio, Vogue e Elle (rs). Mas acredito que a chama por esse interesse é algo inato. Todo mundo tem um ‘dom’, algo que é maior, e isso deve ser explorado e valorizado desde criança”, disse.

Ao se mudar para São Paulo, João Sebastião deu uma guinada em sua carreira na moda e no design, e consegue reproduzir exatamente o que vem à sua mente nas suas peças. Com a repercussão nacional, o designer se diz honrado. “Sempre fiquei feliz em ver pessoas de Mato Grosso se destacando fora do Estado e fico muito feliz em poder apresentar minha terra em meus trabalhos para o país. Ainda tenho muito o que fazer e espero falar muito mais de minhas raízes”, destacou.

As referências de João podem estar em todos os lugares. A observação do mundo faz com que novas ideias surjam na medida em que as referências vão se consolidando. “Minhas referências estão ao meu redor e sempre estiveram. São a fauna e a flora brasileira, a cultura, a arquitetura, as artes visuais, a música. Tudo tem sua beleza e deve ser observado, e é nisso que sou bom: em observar e interpretar esses símbolos”, contou.

Já o trabalho de produção, João acrescenta que é muito parecido com o de um estilista ou arquiteto. Tudo sai da cabeça direto para o papel, e depois são iniciadas mais pesquisas, estudos e tentativas assertivas, como a produção de facas de corte, fundição, até chegar a produção de uma peça piloto.

E para 2014, o designer promete muitas novidades. “Ainda neste mês de janeiro lançarei uma coleção especial para a Copa do Mundo chamada ‘Brasileiríssima’, em março/abril outra coleção (que seria o inverno), e em fevereiro vou abrir uma agência de comunicação, semiótica e treinamento corporativo chamada ´NAU´”, revelou.

Além da marca João Sebastião, também há produção da marca Farofa de Banana, resultado do blog de moda nascido em 2010. Multidisciplinar, conectado com as tendências sem deixar de lado as raízes tipicamente brasileiras, João Sebastião revela outra faceta da moda ao próprio país e trabalha para que suas peças sejam reconhecidas internacionalmente com os holofotes da Copa no Brasil.

“Romper as barreiras do preconceito contra profissões artísticas é um desafio no Brasil. É difícil conquistar o respeito e atenção das pessoas, inclusive de seus próprios familiares. Tudo requer muito trabalho e dedicação, isso pode parecer clichê mas é a mais pura verdade. E não classifico meu trabalho como arte. Convido artistas plásticos para colaborarem comigo em algumas de minhas coleções, eles fazem arte, eu faço moda com a arte que eles produzem”, concluiu.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet