Olhar Conceito

Quarta-feira, 14 de abril de 2021

Notícias / Moda

da nossa terra

Figurinista da série "Rondon, O Grande Chefe" trabalha desde os 13 anos como estilista em Várzea Grande; Conheça!

Da Redação - Isabela Mercuri

05 Dez 2014 - 09:00

Foto: Isabela Mercuri / Olhar Conceito

Figurinista da série
Jane Klitzke, mais conhecida como Jane AngelK, desenha desde pequena. Aos treze anos, já trabalhava como estilista na loja “Casa Alberto”, onde levou seus primeiros croquis e foi aprovada. Depois de um mês trabalhando na loja base, aprendeu tudo sobre tecidos (os tipos, quais são importados, qual a composição) e foi para a loja principal. Seus desenhos eram usados na produção enquanto ela fazia um curso básico de corte e costura.

Leia mais: Ação Loja Vazia tem consultora de imagem para montar uma vitrine por dia

Trabalhou como vendedora, foi promovida a gerente, depois gerente geral, vitrinista. Trabalhou com franquias como Casa Prado, e marcas como Guaraná Brasil, e no tempo livre ainda fazia seus desenhos e produções por conta.

Entre 2003 e 2004, Jane se tornou gerente da fábrica “Anjos da Terra”, responsável pela loja “Virtual”. Ficou três anos coordenando produção, desenhando modelos e distribuindo seus produtos para a rede, mas nunca costurou: “É diferente quando você desenha mas não coloca a mão na massa, e eu nunca tinha costurado”, conta.

Foi aí que sua vida deu uma reviravolta. A chefe de Jane a inscreveu num concurso de moda de um grande Shopping de São Paulo, em que as estilistas tinham que criar uma roupa para vestir a Adriane Galisteu. Jane ganhou, e seu prêmio – um carro – se transformou depois nas máquinas de costura dá fábrica, que ela comprou quando o estabelecimento fechou.

“Eu trabalhava muito e não tinha tempo para ficar com meus filhos, então queria arrumar um jeito de trabalhar em casa. Montei meu ateliê com as máquinas que eu comprei, trocando a segurança de um empregou pelo incerto”, conta a estilista.

Depois de três anos costurando dentro de casa, Jane construiu uma edícula no quintal, onde instalou de vez o seu local de trabalho: “As pessoas acham que você tem que ter uma mega estrutura pra trabalhar, mas se seu trabalho for bom e você tiver organização, dá certo em qualquer lugar”, explica.



Seu trabalho no ateliê já lhe rendeu diversos frutos. Jane é responsável pelos uniformes dos times de futebol americano Cuiabá Angels, Arsenal, Hawks (Sinop), além dos de times de Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Goiânia, e até mesmo do Uruguai.

No lado artístico, Jane faz o figurino do Cena Onze, da Paixão de Cristo e do Alto de Natal (espetáculos do governo), Ópera Ballet, Colégio Livre Porto e diversos outros grupos de teatro. Sua maior visibilidade, no entanto, foi ter feito o figurino para a minissérie “Rondon, O Grande Chefe”.

A minissérie

Jane foi indicada pelo diretor do Cena Onze para a produção da série, e, como já tinha feito uma pesquisa sobre o tema, levou suas ideias na reunião. “Eles ficaram impressionados com tudo o que eu tinha”, comentou. Depois que foi aprovada e chamada, a figurinista montou todo o seu estoque, com peças de brechós, de aluguel e algumas feitas por ela.

“Eu não fiquei com tanto medo porque eu trabalhava junto com uma equipe, então o figurino passava por aprovação antes”, conta Jane, que trabalhou com Paulo Fraksman como diretor de arte. “O Paulo foi indicado ao Oscar pela direção de arte do filme O Quatrilho, então eu estava bem acompanhada e tinha segurança para montar”, diz Jane.

A figurinista conta, ainda, que a única alteração que pediram para ela fazer foi envelhecer as roupas: “Eles queriam roupas velhas, estragadas, suja mesmo”. Como era seu primeiro trabalho com série, Jane aprendeu muito durante a produção. Seu ateliê, inclusive, se tornou itinerante.



“Agora você imagina essas máquinas imensas, industriais, todas transportadas de lancha, balsa pelo meio do rio. Eram 400 figurinos que eu levava, e ainda tinham mais roupas em um baú. Aqui no Ateliê a produção também não parou, tanto para a série quanto para os trabalhos locais”, conta a estilista.

Foram três meses de gravação e ela teve que ficar viajando durante todo este tempo: “Eu gosto de viajar, mas as pessoas me perguntam muito se eu quero sair de Cuiabá, porque não vou para o Rio ou São Paulo”. A estilista, que é de Rondônia, mas cuiabana de coração, é pontual: “É aqui que eu quero fazer a minha história, perto da minha família, amigos e pessoas que conheço”.

No futuro, pretende continuar com seus trabalhos com as companhias de teatro e times de futebol americano e, como meta, quer terminar a reforma de seu ateliê. Ela, que é formada em moda pela UNIC, tem curso no Instituto Europeu de Design e outros lugares de São Paulo, também faz pós-graduação em Didática do Ensino Superior e sonha em dar aulas de “Moulagem tridimensional”, técnica que, segundo ela, “É usada pelos estilistas que trabalham com criação”.

JaneAngelK, ou Jane Klitzke, também participou do último Globo Repórter, falando sobre seu trabalho em casa. Outra história parecida com a dela é a de Márcio Augusto Patrício, dono da hamburgueria Cozinha dos Fundos, veja a matéria AQUI.
Confira os trabalhos de Jane AQUI.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet