Olhar Conceito

Quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Notícias | Artes Cênicas

Depois da reforma

De portas abertas:Teatro da UFMT terá sua primeira apresentação para o público nesta terça-feira

Foto: Reprodução

De portas abertas:Teatro da UFMT terá sua primeira apresentação para o público nesta terça-feira
Estudantes e operários que trabalharam durante dois anos na reforma do teatro da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) já puderam ‘estrear’ a obra. Nesta segunda-feira (08) foi o espetáculo de inauguração, com apresentação da Orquestra Sinfônica e Ópera Ballet. Nesta terça (09) e quinta-feira (11), a população mato-grossense está convidada para conferir o novo teatro de Cuiabá, bem como apreciar o espetáculo.

Leia mais: Depois de investimento de R$8 milhões e dois anos de reforma, teatro da UFMT será inaugurado

A apresentação começa às 20h. Sob a regência do maestro Fabricio Carvalho, a Orquestra traz para o evento importantes canções do repertório do balé clássico.  A bailarina Verônica Weber, diretora  artística do Ópera Ballet, comenta que será uma experiência intensa para Corpo de Baile, músicos e plateia.



Ao todo, 40 bailarinas dão vida ao espetáculo. Tamanha responsabilidade não intimida o Corpo de Baile do  Ópera Ballet, escola de dança que acumula quase 15 anos de trajetória.  “Em 2010, ganhamos um prêmio importante, o terceiro lugar no disputado Festival Internacional de Nova York, o que nos incentiva a romper fronteiras e assumir novos desafios”, comenta Verônica.  

Repertório da apresentação

O espetáculo alterna-se entre apresentações de dança, orquestra e apenas orquestra, quando o Corpo de Baile fará troca de figurino. O programa começa com La Bayadere, de Ludwig Minkus, um grande sucesso do repertório clássico da dança, com coreografia do genial Marius Petipa.


(Verônica Weber e Fabrício Carvalho)

Na sequência, a orquestra apresenta Danças Eslavas, Opus 46, n. 8, Furiant, de Antonín Dvorák. Danças Eslavas é uma série de dezesseis peças orquestrais compostas por Dvorák, entre 1878 e 1886, tendo sido publicadas em dois grupos como Opus 46 e Opus 72. Originalmente escritas para piano a quatro mãos, foram inspiradas nas Danças Húngaras de Johannes Brahms.

Entre os mais encenados, O Quebra-Nozes, e a sua inconfundível Valsa das Flores, ganha a apropriação do Ópera e da OSUFMT. Pyotr Tchaikowsky compôs apenas três balés, três obras de arte, mas apenas o Quebra-Nozes tem essa face mais infantil. Sua música, em determinada passagem, marca o encontro entre a menina Clara e a Fada Açucarada. Entre os dias 8 e 11, as flores se exibem para Clara e para o público mato-grossense.

Depois é a vez de Farandole, da Suíte n. 2 L´Arlesienne, de George Bizet, executada pela OSUFMT. Para a estreia do drama de Alphonse Daudet L´Arlesienne – a tragédia de um jovem camponês que ama uma mulher de Arles e que acaba matando-a por não suportar sua infidelidade -, Bizet escreveu em 1972 uma música para teatro composta de vinte e sete números, a maioria curtos. No original, Farandola é uma dança popular da Idade Média, original da Provença.



Corpo de Baile do Ópera Ballet e Orquestra Sinfônica da UFMT apresentam Ballo de La Regina, da Ópera Don Carlo, de Giuseppe Verdi, a mais contemporânea obra do programa que reinaugura o Teatro da UFMT. George Balanchine, mestre do New York City Ballet, criou uma coreografia forte, vibrante, que requer muita destreza técnica.

Acompanhando, a música de Giuseppe Verdi, na mesma frequência artística, mais especificamente um trecho da ópera Don Carlo. Ballo de La Regina estreou em 1978, no New York State Theater.

Após um intervalo de 10 minutos, a plateia se inebria com Giselle, de Adolphe Adam. Para Verônica, a peça mais bonita da noite, em que um dos trechos mais marcantes fora escolhido. Giselle é uma das expressões máximas da era romântica do balé clássico, e que a música fascinante de Adolphe Adam conduz uma linda história de amor e ao mesmo tempo trágica. O romancista Theophile Gautier, autor do roteiro deste balé, criou seres noturnos, as Willis, que nada mais são do que almas de jovens donzelas que morreram de amor antes do casamento. Elas procuram vingança, fazendo com que homens que passeiam pela floresta dancem até morrer de cansaço. Giselle se transforma numa Willi, mas ela consegue salvar seu amado. “Giselle é de tirar o fôlego”, pontua.

A música Finlândia, Op. 26, executada pela Orquestra Sinfônica da UFMT, é um poema sinfônico escrito pelo compositor finlandês Jean Sibelius. A primeira versão foi escrita em 1899, sendo posteriormente revisada em 1900. A peça foi composta para as celebrações da imprensa de 1899, um protesto contra a crescente censura do Império Russo, como a última de sete peças, cada uma acompanhada de um folheto com episódios da história da Finlândia.

Encerrando com chave de ouro a noite de reinauguração do teatro, Don Quixote, de Ludwig Minkus, com Corpo de Baile do Ópera Ballet e Orquestra Sinfônica da UFMT. O balé Don Quixote vibra no ritmo da alma espanhola.

Serviço

Dia 8 – segunda feira – Espetáculo aberto aos estudantes da UFMT e operários que trabalharam na reforma.
Dias 9 e 11 – terça e quinta feira – Ingressos R$ 30 inteira e R$ 15,00 meia
Dia 10 – quarta feira – Espetáculo fechado para autoridades
Inf.: 3627-4497/9931-5863
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet