Olhar Conceito

Quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Notícias / Artesanato

Governo fala em criar centro de economia criativa e promete priorizar a área

Da Redação - Isabela Mercuri

07 Abr 2015 - 13:55

Foto: Reprodução / Secom MT

Governo fala em criar centro de economia criativa e promete priorizar a área
Atividades que surgem do exercício da imaginação e que dão lucro e giram a economia. Esta é a definição de ‘Economia Criativa’, dada pelo escritor John Hawkins em seu livro ‘Creative Economy’. A modalidade, que engloba diversos setores, é a nova prioridade do governo estadual.

Leia mais:
Muxirum Cultural prepara edição especial para comemorar 296 anos de Cuiabá
De terapia a fonte de renda, fuxicos tomam diversas formas pelas mãos de artesã cuiabana

Gastronomia, arquitetura, publicidade, design, artes, antiguidades, artesanato, moda, cinema e vídeo, televisão, editoração e publicações, artes cênicas, rádio, softwares de lazer, música, fotografia, ciência e medicina e inovação no varejo são as vertentes em que Mato Grosso pretende se tornar referência nacional. Para isso, cinco secretarias do estado se reúnem e estudam as ações que precisam ser implantadas.

“Foram desenhadas as primeiras ações tendo a centralidade na Secretaria de Estado de Cultura e caberá à Setas (Secretaria de Trabalho e Assistência Social ) realizar um diagnóstico sobre como anda a economia criativa em Mato Grosso”, explica o titular da pasta, Valdiney de Arruda, observando que ao mesmo tempo se prevê uma grande sensibilização da população sobre o conceito e a introdução do tema na sociedade e em especial pela comunidade educacional.

De acordo com a Assessoria do estado, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Senerli Paludo, afirma que a intensão é aproveitar as riquezas que existem no Estado. “São 14 os setores da economia tradicional que transformam a questão da cultura, do conhecimento local em negócios, a exemplo do design de modas, de joias, pintura, do setor moveleiro, dentre outros”, cita o gestor. Além da Setas, Cultura e Desenvolvimento Econômico, estão envolvidas as secretarias de Educação e Ciência e Tecnologia.

Já o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Leandro Carvalho, aposta na criação de empregos: “A economia criativa é toda indústria que usa como matéria-prima a criatividade, habilidade e o talento individual, proporcionando crescimento e emprego ocorrendo muitas vezes no meio cultural”. No Brasil, já são 22% dos trabalhadores formais nesta categoria.

Para incentivar a atividade, será criado na capital um centro de economia criativa. Ele vai funcionar como eixo de desenvolvimento nesta área, com foco na criatividade como fonte produtora: “E a cultura permeia esses mais diversos segmentos, incluindo publicidade, arquitetura, moda e o próprio patrimônio histórico”, conclui o secretário de Cultura.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet