Olhar Conceito

Notícias / TV

Municipal do Rio é palco do Prêmio da Música Brasileira

Estadão

12 Jun 2013 - 15:00

Céu tinha 14 anos quando Tom Jobim morreu. Maria Gadú, 8. Nana Caymmi foi sua amiga por décadas. Leny Andrade e Rosa Passos gravaram vários clássicos de seu cancioneiro. Já vai fazer 20 anos que o piano emudeceu, mas a obra monumental continua chegando a novos ouvintes, seja nas versões célebres, seja nas homenagens. Vanessa da Mata atraiu de 8 a 80 em seus shows tributos gratuitos. Na noite desta quarta-feira (12), o mesmo repertório dá o tom do Prêmio da Música Brasileira, no Teatro Municipal do Rio.

Depois de 23 edições, Tom é homenageado pela premiação idealizada por José Maurício Machline. Ele escolheu só lados AAA para conduzi-la. Céu vai de Insensatez (Tom/Vinicius); Gadú, de Chega de Saudade (idem). Nana promete estraçalhar o Dia de Namorados dos amargurados com Por Causa de Você (Tom/Dolores Duran). O elenco tem ainda João Bosco, os portugueses Antônio Zambujo e Carminho, Leila Pinheiro e Mônica Salmaso. Gal Costa estava confirmada, mas sua voz falhou e ela cancelou a participação.

Durante seis dias, os ensaios, no estúdio Floresta, no Rio, reuniram os artistas em torno do relicário de Tom. Um dos encontros inéditos é o dos pianistas João Carlos Martins, Wagner Tiso, Gilson Peranzzetta, Cristóvão Bastos, João Carlos Coutinho e Leandro Braga. Eles tocarão a 12 mãos Eu Sei Que Vou Te Amar (Tom/Vinicius).

A Nova Banda, grupo familiar que acompanhou Tom por dez anos (contava com a mulher e dois filhos de Tom, Beth e Paulo, o casal Morelenbaum, Caymmis...) , vai se reunir pela primeira vez, ainda que desfalcada. O grupo fez apenas um ensaio de Wave (Vou te Contar). "Mantivemos o arranjo original do Tom para caracterizar esse encontro. Ele era o nosso maestro", contava, segunda-feira (10), o violoncelista Jaques Morelenbaum, diretor musical do prêmio.

Nana, Leny e Rosa acreditam seriamente na missão de perenizar o legado jobiniano. "É minha função como intérprete, não posso deixar que esqueçam os grandes, Tom, meu pai, Dolores, Lupicínio Rodrigues...", defende Nana. Leny ficou com Brigas Nunca Mais (Tom/Vinicius). "Tom era muito lindo comigo, cantei na missa de sétimo dia, em Nova York", lembra. "O Brasil está precisando de música boa. O popularesco tem muito espaço!", critica Rosa, que cantará Inútil Paisagem (Tom/Aloysio de Oliveira).

Outro devoto de Tom, Mario Adnet, que lançou três CDs em 2012, tem dois prêmios garantidos - é nome único nas categorias arranjador e projeto especial. Maria Bethânia pela primeira vez disputa troféu como compositora. Caetano, Gil, Zélia Duncan, Mariene de Castro e João Bosco, como ela, somam três indicações.

A apresentação, geralmente a cargo de atores, será de Zélia e Adriana Calcanhotto. A seleção, feita por um júri especializado, foi a partir de 1.109 CDs e 165 DVDs. É a mais abrangente premiação de música do País. A TV Globo transmite o show domingo (16).

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet