Olhar Conceito

Sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Notícias / Turismo

Cavalgada turística é opção para quem quer se aproximar da natureza em Chapada dos Guimarães

Da Redação - Isabela Mercuri

04 Jan 2016 - 10:50

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Cavalgada turística é opção para quem quer se aproximar da natureza em Chapada dos Guimarães
Para muitos, andar a cavalo tem gostinho de infância. Galopar vendo o verde das árvores e sentindo o cheiro de terra pode trazer lembranças guardadas na memória. Ou não. Pode ser algo totalmente novo e surpreendente para quem já nasceu no concreto. De qualquer forma, uma cavalgada turística nos arredores de Chapada dos Guimarães (64km de Cuiabá) não decepciona. Na verdade, surpreende.

Leia mais:
Praça de Chapada ganha bancos em forma de onça e jacaré para enfeitar e atrair turistas
Ibama leva projeto de preservação ambiental e extrativismo sustentável para interior do Estado

É essa experiência surpreendente que o Haras da Brisa quer trazer a cada vez mais visitantes. O haras foi criado há vinte anos por Edson Andrade, mas apenas há dois anos foi aberto ao público, inicialmente apenas para atividades de equoterapia.


Edson Andrade (Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto)

Além da unidade na estrada de Chapada, o Haras da Brisa também está em Santo Antônio do Leverger (32km de Cuiabá), tanto com a equoterapia quanto com a cavalgada de observação turística. “Nós somos de Poços de Caldas, Minas Gerais, que já é uma cidade turística. Viemos para Rondonópolis e aí já pensando no futuro montamos o haras aqui”, conta seu Edson. Com ajuda do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), eles inauguraram a primeira unidade em Santo Antônio.

Em Chapada, o haras recebe às segundas-feiras os alunos da APAE, e durante a semana tem horários para alunos de equoterapia, mas aos finais de semana a família está iniciando um projeto de cavalgada turística. O passeio mais simples dura em torno de uma hora a uma hora e meia, mas o percurso, o tempo e até o cavalo dependem da experiência e da vontade do cliente.

Montado no cavalo, que é especialmente adestrado para os mais inexperientes, o turista segue em uma fila indiana, junto aos outros visitantes e aos instrutores (um instrutor a cada três visitantes), sai do haras e entra nas trilhas. Em uma delas, o caminho segue até o vale da benção, com descidas e subidas que o deixam mais emocionante.

No meio da trilha, chega-se ao sítio Monjolinho, onde se encontra um alambique (produtor da cachaça Geodésica) e, se combinado antes, onde o turista pode almoçar uma comida de fazenda. Dali, os mais animados podem continuar a trilha por dentro da mata até chegar a uma cachoeirinha, ou retornar ao haras de carro.


Sítio Monjolinho (Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto)

Este é apenas um dos trajetos possíveis da cavalgada. Segundo a bióloga Gabrielle Andrade (filha de seu Edson), as trilhas podem chegar a durar o dia todo: “Tem trilha até a cachoeira do marimbondo, tem trilhas que demoram duas, três horas pra ir e o mesmo pra voltar. Mas essas são para as pessoas mais preparadas, e que já estão acostumadas a cavalgar”, explica.
A mais pedida, atualmente, é a mais simples, de cerca de 1h. O preço varia de R$40 a R$50. “Todo brasileiro tem em sua origem um avô, tio, bisavô rural. A origem do Brasil é rural, então o cavalo faz parte, de alguma forma, no quesito cultural, turístico, da história do país”, afirma. Para seu Edson, a procura vai bem além dos brasileiros: “Existe um estudo do Ministério do Turismo que mostra que 40% dos turistas que entram no Brasil procuram por cavalgadas”.


Gabrielle Andrade (Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto)

Depois de relembrar o passado, cavalgar por cerca de duas horas sentindo a brisa no rosto e olhando a paisagem rural, resta aos que não almoçaram no Monjolinho retornar ao Haras da Brisa e ser recebido com um almoço caipira. Galinha com arroz, farofa de banana, feijão e salada com pimentinha e um tempero típico de vó fazem parte do cardápio – cobrado a parte de quem não quer ir embora sem usar todos os sentidos para aproveitar a zona rural.


Claudiomar preparando o almoço (Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto)

Serviço

As cavalgadas são feitas com no mínimo três pessoas, e devem ser agendadas previamente via telefone (65) 9999-1973 (também WhatsApp). O Haras da Brisa fica na Rodovia Emanuel Pinheiro, km 54. Mais informações e fotos no INSTAGRAM.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet