Olhar Conceito

Terça-feira, 22 de setembro de 2020

Notícias / Dra. Ana Paula Barbosa - Odontologia

Cirurgiã Dentista fala sobre os implantes dentários: verdades e mentiras

Ana Paula Barbosa

20 Fev 2018 - 17:00

Cirurgiã Dentista fala sobre os implantes dentários: verdades e mentiras
Muito se fala sobre implantes dentários, muitas são as propagandas, e os pacientes ficam sem saber o que é o que não é possível de se fazer. Sendo assim, reunimos as principais dúvidas dos pacientes no consultório e as colocamos aqui.

Leia também:
Nova colunista, cirurgiã dentista fala sobre os 'aparelhos invisíveis'

O que é implante dentário?
 
Implante dentário é um cilindro (pino) de titânio colocado dentro do osso, abaixo da gengiva e que tem a função de fazer o mesmo papel da raiz do dente. Em cima do implante é que o cirurgião dentista coloca o dente.

Todas as pessoas podem fazer implantes dentários?
 
Em saúde as palavras todas, nenhuma, sempre e nunca não devem ser usadas. Algumas vezes o paciente não pode fazer o implante naquele momento ou não pode fazer por uma determinada condição, mas isso não impede que ele venha a poder fazer. O importante em relação ao paciente é que ele tenha um bom estado geral de saúde.

Quais são os fatores que contra indicam um implante dentário?

Os principais motivos de contra indicação é a colocação de implantes dentários em crianças antes da fase final de crescimento e pessoas que tenham uma expectativa acima do normal com resultados e estética. Pessoas com problemas cardíacos de alto risco, como próteses valvulares aórticas ou mitrais, cardiopatias congênitas ou com antecedentes de endocardite infecciosa. Os outros fatores, de uma maneira geral, contra indicam temporariamente ou diminuem a margem de sucesso.

Os implantes rejeitam?
 
Não, não existe rejeição dos implantes pelo organismo. Os implantes são feito de titânio e esse material é inerte ao osso. Isso quer dizer que o organismo não percebe que algo foi colocado no osso, e por isso tenta fechar o furo feito pela broca para a colocação do implante. Quando o osso preenche esse orifício, ele trava o implante, e isso é o que chamamos de osseointegração. Podem ocorrer problemas devido a problemas na cirurgia, no pós-operatório, pela qualidade do osso, mas não por rejeição.

Pacientes que não tem osso podem receber implantes?

Podem, mas precisam de um trabalho anterior a colocação do implante, ou até em conjunto com a colocação do implante. Se a necessidade for de uma quantidade pequena de osso, pode-se retirar da própria boca, da região do queixo ou do túber. Se a necessidade de osso for grande, aí precisaremos retirar da crista do ilíaco (ossinho saltado na região por onde passa o cós da calça), da calota craniana ou da tíbia. Estas cirurgias são feitas em ambiente hospitalar. Há, hoje em dia, materiais sintéticos que substituem o osso, e estes são indicados em alguns casos.

Qual a taxa de sucesso dos implantes dentários?

O índice de sucesso é de 98%, ou seja, em cada 100 pacientes, poderemos ter problemas em dois. Mesmo nesses que temos problemas, a cirurgia pode ser refeita. Apenas pacientes fumantes ou que façam uso constante de álcool tem essas médias diminuídas para aproximadamente 85% de sucesso e 15% de insucesso.

É possível colocar os implantes e os dentes no mesmo dia?
 
Sim, mas nem todas as pessoas podem colocar implantes e dentes no mesmo dia. Aliás, ainda é a minoria das pessoas que pode. Para isso, o paciente tem que ter quantidade e qualidade suficiente de osso. Quando existe osso na região inferior ,normalmente é possível, pois o osso da mandíbula é mais duro (menos poroso). Já a maxila é um osso mais poroso e por isso a fixação do implante é mais difícil. Então, para a colocação de implantes imediatos é necessário avaliar a quantidade óssea, o número de implantes e os dentes que serão implantados. Nos implantes convencionais as pessoas esperam em torno de 2 a 3 meses na região inferior, e de 4 a 6 meses na região superior, e, se possível, sempre acho que é mais seguro esperar.

Quais são as etapas de trabalho?

A primeira e mais importante das etapas é a de planejamento. Nesta fase nós tentamos descobrir quais os objetivos do paciente e quais as reais possibilidades de trabalho que existem. Após a definição do tipo de trabalho a ser feito vem a parte da cirurgia, quando os implantes são colocados. No caso de implantes com carga imediata, dentes provisórios são colocados no mesmo dia da cirurgia. Nos casos tradicionais, o paciente deve aguardar de 2 a 3 meses para colocação dos dentes definitivos na região inferior, e de entre 5 e 6 meses na região superior.

Dói colocar implantes?

Não, a colocação de implantes é muito tranquila em relação à dor. A anestesia é local, exatamente a que se toma para fazer qualquer tratamento dentário. A única fase que poderia causar algum tipo de dor seria na hora de abrir a gengiva, mas hoje em dia nem isso fazemos, muitas vezes. Quando chegamos no osso, a dor não ocorre, pois o osso não tem inervação, então ele não dói. O pós-operatório é tranqüilo, recomendando analgésico, antibiótico, antiinflamatório e repouso apenas no dia da cirurgia. No dia seguinte o paciente já pode voltar as suas atividades de trabalho, com moderação.



*Ana Paula é ​cirurgiã bucomaxilo facial plantonista do Pronto-Socorro Municipal (PSM), professora de residência em Cirurgia Buco-maxilo-facial no Hospital Universitário (HGU), mestre pela Universidade de Cuiabá (Unic) em Ciência Odontológicas, e doutora pela Universidade de São Paulo (USP).
A Dra. Ana Paula atende na Rua Buenos Aires, 525. Jardim das Américas. Telefones (65) 3052-4696 e (65) 99233-4696.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet