Olhar Conceito

Quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Notícias / Arquitetura, décor e design

Restaurador que aprendeu técnicas em revista culpa móveis planejados pelo ‘abandono’ de peças antigas

Da Redação - Isabela Mercuri

03 Nov 2018 - 14:32

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Restaurador que aprendeu técnicas em revista culpa móveis planejados pelo ‘abandono’ de peças antigas
Criatividade e curiosidade: essas foram as chaves do mineiro José Marcos Paiva, hoje com 65 anos, quando começou a trabalhar com restauração de móveis em Cuiabá. Depois de se ver sem emprego, ele precisou ‘se virar’ para aprender uma nova função. Conseguiu. Hoje, após trancos e barrancos, incluindo ‘cano’ do sócio e o ‘boom’ dos móveis planejados, já soma vinte anos de experiência na área e muitas histórias para contar.



Leia também:
Português guarda mais de mil relógios em antiquário no Centro: “Tinha medo de me atrasar”

“Eu comecei vendendo salgado na Avenida Prainha”, conta o mineiro, que vive em Cuiabá há mais de vinte anos. “No shopping de camelô, bem em frente a um ponto de ônibus. Fiquei quase um ano lá, aí quando estava melhorando, o cara [dono do imóvel] vendeu pra estacionamento”. Após o primeiro tropeço, Marcos fez uma parceria com uma loja de estofados: enquanto o dono fazia os sofás, ele restaurava os móveis. Para aprender a fazê-lo, contou com ajuda de revistas, principalmente da Revista Cláudia.



Com o tempo, o autodidata começou a se aventurar na criação de novas peças e técnicas, e se uniu com um sócio para abrir o próprio espaço. “Mas como o sócio tinha o nome sujo, eu comprava tudo no meu nome. Só que me ferrei, porque ele sujou o meu nome também”.  A relação trouxe ainda outros problemas, pois o sócio sumiu devendo dinheiro e serviços para muitas pessoas, o que fechou as portas para Marcos, que ficou por aqui e perdeu a confiança dos clientes.

Para conseguir se reerguer, ele começou a fazer trabalhos para donos de lojas e pessoas importantes. Aos poucos, foi novamente ganhando reconhecimento, e alugou o espaço onde vive e trabalha há dezesseis anos. Desde o início, uma das principais formas de trabalho de Marcos é a venda por consignação. “A turma vai mudar de casa pra apartamento, e não leva os móveis antigos, porque fazem mais móveis planejados”, explica. “Eu restauro, vendo e tiro minha comissão, de 20%”.

Grande parte dos móveis no ‘Empório das Artes’ estão à espera de um comprador para, só depois, serem restaurados. Outros, no entanto, foram encontrados na rua por Marcos ou por ‘catadores’. “A turma joga muita coisa boa fora! Agora não tanto, mas quando eu cheguei aqui, nesses bota fora você achava coisa que ficava besta! Muita coisa de prata, bandejas, várias coisas”. E nada passa despercebido pelo restaurador. Mesmo quando encontra uma janela, um pé de mesa ou um pedaço de ferro, ele guarda, afinal de contas nunca sabe quando pode precisar.

Todos os artigos de decoração na casa de Marcos estão à venda (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Dentre os móveis mais diferentes que já encontrou, um é uma cabeceira de cama de 1901, que estava em um ‘bota fora’ em frente a uma igreja. Dentro da casa, aguardando comprador, está também um guarda-roupa de madeira maciça, todo detalhado, que a antiga dona pede R$17 mil. Marcos também tem diversos tipos de artigos de decoração, lustres, pratos, xícaras, além de discos de vinil e filmes em VHS.

Detalhes do guarda-roupa (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Nos últimos anos, no entanto, o restaurador conta que a procura vem diminuindo, muito por conta dos espaços cada vez menores, e pela ‘invasão’ dos móveis planejados. “Hoje meu serviço é muito pra condomínio e pra Chapada, porque em condomínio é casa grande, e em Chapada os móveis tem que ser de madeira maciça”, afirma. No entanto, ele garante que a qualidade dos móveis antigos é imensamente superior. “A única coisa que é melhor dos móveis planejados é que é mais fácil pra limpar, porque os móveis antigos têm muitos detalhes e junta poeira (...) [Se] você vai comprar uma cristaleira hoje, o preço é um absurdo e não vale nada. É tudo em MDF! Os antigos não! São de madeira”, finaliza.

Serviço

Empório das Artes
Avenida São Sebastião, 2084 – Cuiabá
Informações: (65) 99913-2024

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • lais
    05 Nov 2018 às 09:45

    infelizmente restaurar moveis antigos sai mais caro que comprar novo! o vlor que cobram é absurdo! muit triste vejo tb moveis de materias de demolição o quadruplo do preco em comparação com moveis planejados, a culpa e dos vendedores mesmo!!!

  • Chalise Secco
    04 Nov 2018 às 16:01

    Quem gosta de coisa velha é museu.

  • cidadão
    04 Nov 2018 às 08:17

    culpa...??? isso é modernismo...!! é o mesmo que as rádios culparem a internet e a tv pela velocidade da notícia

Redes Sociais

Sitevip Internet