Olhar Conceito

Quinta-feira, 06 de maio de 2021

Notícias / Cuiabá 300 anos

Quase 50 anos

Mané Boi veio do Pantanal para Cuiabá de barco e abriu bar tradicional após duas grandes enchentes

Da Redação - Isabela Mercuri

24 Fev 2019 - 08:13

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Mané Boi veio do Pantanal para Cuiabá de barco e abriu bar tradicional após duas grandes enchentes
A vida de seu Manoel Anastácio de Amorim, hoje com 81 anos, foi marcada pelas águas. Nascido no Pantanal, à beira do Rio Piraim, em Barão de Melgaço em 1937, veio para Cuiabá de canoa junto ao pai e outros quatro irmãos quando a enchente de 1942 os deixou desabrigados. Por aqui, casou-se, teve sete filhos, e em 1971 construiu um bar. Em 1974, novas águas fizeram sua vida ‘mudar o rumo’, com mais uma enchente que, inclusive, causou a destruição de suas máquinas de fazer picolé. Com ajuda dos amigos, ele reergueu o bar no bairro Dom Aquino – que à época era ‘só mato’, e conhecido como Areal – onde trabalhou até outubro de 2018. De lá pra cá, seu filho e neto assumiram o comando, enquanto ele espia e toma conta de sua casa, que fica nos fundos.


Leia também:
“Sou mais conhecida que nota de dois reais”, diz comerciante há mais de 40 anos no Santa Helena

Mané, os irmãos e o pai chegaram a Cuiabá pelo rio e desembarcaram no Grande Terceiro. Seu pai, que era comerciante, continuou trabalhando no rio vendendo todo tipo de mercadoria para sustentar a família, que já estava acostumada com a enchente e procurava algum lugar para ir durante as chuvas. Depois das águas, vinha o momento de lavar o que restou da casa, reconstruir e esperar a próxima chuva. “A enchente não vinha todo ano, demorava pra vir”, lembra.

O pantaneiro cresceu, se casou e teve filhos. Trabalhou por doze anos no Armazém Santo Antônio, até que conseguiu juntar dinheiro para abrir seu próprio estabelecimento, onde vendia e fabricava picolés, bebidas e cigarros. Para isso, tinha um grande maquinário que só funcionava na base da salmoura ou do álcool.

Na grande enchente de 1974, no entanto, não deu pra retornar para casa. O governador José Manuel Fontanillas Fragelli estava com planos de construir a Avenida Beira Rio, e fechou toda a área do antigo bairro ‘Terceiro’. Mané, os filhos e a esposa Neusa tiveram que ir morar com o sogro, Pedro Dorileo, no antigo bairro do Areal – que hoje se chama Dom Aquino.

Para não deixar o maquinário do bar para trás, o comerciante contou com a ajuda de um amigo caminhoneiro, que conseguiu deixá-lo na carroceria, tampado com duas lonas. Um funcionário dormia perto do veículo para vigiar, mas não deu certo. O abafamento e as formigas destruíram tudo.

Seu Mané estava novamente ‘de mãos abanando’, quando saiu procurando um ponto para voltar à ativa. Outro amigo lhe disse que tinha um ponto no ‘Areal’, e ofereceu para que ele construísse seu bar, com a única condição de que fosse feito de tábuas.

Com as sobras das casas do antigo bairro onde viveu, e alguns postes de madeira que a Cemat já não usava mais, um pedreiro construiu o bar, que veio abaixo no primeiro momento. “A madeira não aguentou, porque ele teve dó de trabalhar e não colocou pra firmar”, lembra o comerciante. “Mas depois chamei outra pessoa, que não teve dó, cavucou fundo, e resolveu”.

Com o bar, a família conseguiu sair da casa do sogro e alugar uma para si, onde ficaram por seis anos. Já em 1980, o pai de seu Mané comprou o lote ao lado de onde era seu bar de tábua, e ofereceu a ele que construísse um outro, de cimento, ali, e sua casa nos fundos. Ele aceitou, e ali permanece até hoje.

Bar funciona no meso lugar desde 1974 (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Desde esta época, seu ‘Mané Boi’ sempre abriu o bar às 6h30 da manhã, de segunda a segunda, para receber os primeiros clientes que gostam de beber pinga com café. Nos últimos anos, ficava até as 10h, quando o neto assumia. Às 15h, vinha seu filho Domingos, que comandava até a meia noite.

Atrás do balcão, filho e neto que assumiram o bar (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Em outubro de 2018, no entanto, seu Mané teve alguns problemas de saúde, e ficou impedido de trabalhar, passando o negócio integralmente para os herdeiros. Hoje, o ‘Bar do Mané Boi’ abre às 8h da manhã, e fecha só de madrugada, todos os dias da semana.

Parte da família de seu Mané Boi (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Como o local é tradicional, os próprios clientes já se consideram uma família, e aos finais de semana se reúnem nos fundos do bar para fazer almoço e ouvir música. Eles construíram até mesmo um fogão a lenha para poder cozinhar. Enquanto isso, seu Mané sente saudade da antiga rotina. “Porque lá eu estava trabalhando, conversando... aqui fico só sentado num canto e em outro”, lamenta.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet