Olhar Conceito

Domingo, 20 de setembro de 2020

Notícias / Cuiabá 300 anos

Mané Boi veio do Pantanal para Cuiabá de barco e abriu bar tradicional após duas grandes enchentes

Da Redação - Isabela Mercuri

24 Fev 2019 - 08:13

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Mané Boi veio do Pantanal para Cuiabá de barco e abriu bar tradicional após duas grandes enchentes
A vida de seu Manoel Anastácio de Amorim, hoje com 81 anos, foi marcada pelas águas. Nascido no Pantanal, à beira do Rio Piraim, em Barão de Melgaço em 1937, veio para Cuiabá de canoa junto ao pai e outros quatro irmãos quando a enchente de 1942 os deixou desabrigados. Por aqui, casou-se, teve sete filhos, e em 1971 construiu um bar. Em 1974, novas águas fizeram sua vida ‘mudar o rumo’, com mais uma enchente que, inclusive, causou a destruição de suas máquinas de fazer picolé. Com ajuda dos amigos, ele reergueu o bar no bairro Dom Aquino – que à época era ‘só mato’, e conhecido como Areal – onde trabalhou até outubro de 2018. De lá pra cá, seu filho e neto assumiram o comando, enquanto ele espia e toma conta de sua casa, que fica nos fundos.


Leia também:
“Sou mais conhecida que nota de dois reais”, diz comerciante há mais de 40 anos no Santa Helena

Mané, os irmãos e o pai chegaram a Cuiabá pelo rio e desembarcaram no Grande Terceiro. Seu pai, que era comerciante, continuou trabalhando no rio vendendo todo tipo de mercadoria para sustentar a família, que já estava acostumada com a enchente e procurava algum lugar para ir durante as chuvas. Depois das águas, vinha o momento de lavar o que restou da casa, reconstruir e esperar a próxima chuva. “A enchente não vinha todo ano, demorava pra vir”, lembra.

O pantaneiro cresceu, se casou e teve filhos. Trabalhou por doze anos no Armazém Santo Antônio, até que conseguiu juntar dinheiro para abrir seu próprio estabelecimento, onde vendia e fabricava picolés, bebidas e cigarros. Para isso, tinha um grande maquinário que só funcionava na base da salmoura ou do álcool.

Na grande enchente de 1974, no entanto, não deu pra retornar para casa. O governador José Manuel Fontanillas Fragelli estava com planos de construir a Avenida Beira Rio, e fechou toda a área do antigo bairro ‘Terceiro’. Mané, os filhos e a esposa Neusa tiveram que ir morar com o sogro, Pedro Dorileo, no antigo bairro do Areal – que hoje se chama Dom Aquino.

Para não deixar o maquinário do bar para trás, o comerciante contou com a ajuda de um amigo caminhoneiro, que conseguiu deixá-lo na carroceria, tampado com duas lonas. Um funcionário dormia perto do veículo para vigiar, mas não deu certo. O abafamento e as formigas destruíram tudo.

Seu Mané estava novamente ‘de mãos abanando’, quando saiu procurando um ponto para voltar à ativa. Outro amigo lhe disse que tinha um ponto no ‘Areal’, e ofereceu para que ele construísse seu bar, com a única condição de que fosse feito de tábuas.

Com as sobras das casas do antigo bairro onde viveu, e alguns postes de madeira que a Cemat já não usava mais, um pedreiro construiu o bar, que veio abaixo no primeiro momento. “A madeira não aguentou, porque ele teve dó de trabalhar e não colocou pra firmar”, lembra o comerciante. “Mas depois chamei outra pessoa, que não teve dó, cavucou fundo, e resolveu”.

Com o bar, a família conseguiu sair da casa do sogro e alugar uma para si, onde ficaram por seis anos. Já em 1980, o pai de seu Mané comprou o lote ao lado de onde era seu bar de tábua, e ofereceu a ele que construísse um outro, de cimento, ali, e sua casa nos fundos. Ele aceitou, e ali permanece até hoje.

Bar funciona no meso lugar desde 1974 (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Desde esta época, seu ‘Mané Boi’ sempre abriu o bar às 6h30 da manhã, de segunda a segunda, para receber os primeiros clientes que gostam de beber pinga com café. Nos últimos anos, ficava até as 10h, quando o neto assumia. Às 15h, vinha seu filho Domingos, que comandava até a meia noite.

Atrás do balcão, filho e neto que assumiram o bar (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Em outubro de 2018, no entanto, seu Mané teve alguns problemas de saúde, e ficou impedido de trabalhar, passando o negócio integralmente para os herdeiros. Hoje, o ‘Bar do Mané Boi’ abre às 8h da manhã, e fecha só de madrugada, todos os dias da semana.

Parte da família de seu Mané Boi (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Como o local é tradicional, os próprios clientes já se consideram uma família, e aos finais de semana se reúnem nos fundos do bar para fazer almoço e ouvir música. Eles construíram até mesmo um fogão a lenha para poder cozinhar. Enquanto isso, seu Mané sente saudade da antiga rotina. “Porque lá eu estava trabalhando, conversando... aqui fico só sentado num canto e em outro”, lamenta.

27 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Adilson Pessoa
    04 Fev 2020 às 23:31

    Como sentirei saudade principalmente de quando eu era criança e quando passava para ir a escola quase todos os dias ele me chamava " Dirso" como carinhosamente me chamava, vem cá ali ele me dava um pouco de balas alguns doces e me falava vai com Deus e tenha uma boa aula... Nossa como sentirei saudade e tenho certeza de que sou o que sou hoje uma pessoa de bem que constituiu uma linda Família e que sempre procura fazer o bem e ajudar a todos sem diferença foi ter crescido vendo exemplos como esses de Almas boas como sempre foi seu mané como carinhosamente o chamava. Descanse em paz!!!

  • Gerson
    04 Fev 2020 às 14:24

    Muito linda sua história tá de parabéns o senhor e familiares q nosso senhor Jesus Cristo abençoe sempre o senhor e toda sua família. Gerson Dr Fábio chácara São Bento

  • Dhorcas Macedo
    04 Fev 2020 às 14:06

    Meus sentimentos a toda familia.

  • PEZAO
    27 Fev 2019 às 08:15

    Bom, sou suspeito para falar do BAR DO SEO MANOEL, pois o frequento desde da minha Infância,hj,não moro mais no meu QUERIDO E AMADO BAIRRO DOM AQUINO, mas, ao menos 2x na semana estou lá degustando a cerveja mais gelada de CUIABA. Parabéns, ao SITE, e a repórter com essa brilhante reportagem.Parabdns ao Se o Manoel, ao Domingos (Mingo),ao Júnior. Obs.. Jamais ouve um Picolé de morango e de leite com côco..

  • Delson Cesar da Silva
    26 Fev 2019 às 21:27

    Bom, sou suspeito para falar, MAS,MAS,vou falar. Bar do Mané Boi, o melhor Picolé de Morango e de Coco, melhores docinhos e balas que já existiu no meu amado BAIRRO DOM AQUINO. Hj eu com 47 anos, já não moro mais no bairro, mas, toda semana vou até o referido bar, degustar a melhor e bem gelada CERVEJA DE MT. Parabéns ao OLHAR DIRETO, parabéns a REPORTER, PARABENS AO SEO MANOEL ( assim eu o chamo )ao Domingos (Minho) e ao Júnior..

  • Arthur
    26 Fev 2019 às 16:03

    Excelente matéria! Isso é o retrato da nossa Cuiabá. Sr. Mané é um dos ícones da nossa história.

  • DOMINGOS SANTANA DA CRUZ
    25 Fev 2019 às 15:35

    TRABALHEI PARA SEU MANÉ NO ANTIGO TERCEIRO VELHO VENDENDO PICOLÉ, E AJUDEI SEU PAI, SEU CHICO PAULO QUANDO CHEGAVA DE BARÃO DE MELGAÇO A DESCARREGAR A CANOA CARREGADOS DE POTES E MORINGAS FEITOS DE BARROS A GENTE ERA MOLEQUE ESTAVA ALI NO RIO TOMANDO BANHO.

  • Haroldo Assunção
    25 Fev 2019 às 14:22

    Materiaça! Parabéns à repórter Isabela Mercuri pelo resgate histórico de seo Mané Boi - verdadeira lenda no bairro Dom Aquino, que tenho o prazer de conhecer. Brilhante!

  • Zeca
    25 Fev 2019 às 13:02

    Bela história de vida, parabéns!

  • Adriana Camargo
    25 Fev 2019 às 04:14

    De grande sensibilidade a istoria desse senhor sofrimento e perseverança e com a união da família um final aconchegante, parabéns a todos.

Redes Sociais

Sitevip Internet