Olhar Conceito

Terça-feira, 14 de julho de 2020

Notícias / Comportamento

Solidariedade e sobrevivência: Mato-grossenses fazem máscaras caseiras em meio à pandemia

Da Redação - Isabela Mercuri

15 Abr 2020 - 09:12

Foto: Arquivo Pessoal

Produção de máscaras em família

Produção de máscaras em família

O governo de Mato Grosso enviou à Assembleia Legislativa um projeto de Lei que prevê multa a quem não usar máscaras no estado. Há alguns dias, a Organização Mundial de Saúde e o Ministério já recomenda o uso para evitar a propagação do no coronavírus (Covid-19), mas antes mesmo destes apelos os mato-grossenses já encontraram neste produto tanto uma forma de driblar a crise quanto de ser solidário.

Leia também:
Indústria de uniformes se reinventa e vende quatro mil máscaras em dois dias

Muitas famílias que ficaram sem renda, por exemplo, passaram a pensar em novas alternativas para ganhar dinheiro. Foi o caso do cabeleireiro Osiel Martins de Souza, 38. Seu salão de beleza está fechado desde o dia 23 de março, quando saiu o primeiro decreto municipal e, como ele, a mãe e as tias já costuravam, embarcou nesta ideia.
 
“Eu sempre tive uma máquina para fazer pequenos consertos”, contou ao Olhar Conceito. “Meu companheiro trabalha num hospital, e o hospital estava precisando de máscaras. Então fizemos 550 para doar, e assim começou a procura de vizinhos e amigos”.
 
Com a grande procura, Osiel, duas tias e sua mãe começaram a produção. Até agora, já foram mais de 700 unidades vendidas. Na semana passada, a família chegou a ficar das 8h da manhã às 23h na produção, ainda mais com o aumento da procura depois que o governo afirmou que o uso seria obrigatório.
 
As máscaras são feitas de tricoline, com tecido duplo e forrado, e vendidas a R$5. Osiel faz entregas, sem custo, em vendas acima de dez unidades. Também é possível pagar com cartão.
 
Pague se puder

 
Outra família que entrou na onda de produzir as máscaras foi a da paranaense Gabriela Monfredini Carvalho Neves, 29. Ela, que vive com a avó e o pai, ambos idosos, estava muito preocupada com a contaminação, principalmente quando seu irmão passou a ter sintomas de gripe.
 
Gabriela está afastada do trabalho para um tratamento de saúde, e, assim que o irmão passou a ter alguns sintomas gripais, saiu à procura de álcool em gel e máscaras, mas não encontrou. Como já tinha tricoline em casa, sua avó decidiu confeccionar algumas máscaras.
 
“Eu mandei no grupo pra alguns amigos meus explicando, porque a gente estava trocando informações”, conta. Essas amigas – muitas que não tiveram como parar de trabalhar – passaram a querer comprar as máscaras confeccionadas pela avó de Gabriela, Vanilda Monfredini Carvalho, de 78 anos. E ela decidiu vender. 
 
“A gente decidiu que quem tiver condição, paga um valor, e a gente reverte isso para comprar material para fazer mais máscaras e doar para quem precisa”, conta. Até agora, já foram mais de cem máscaras confeccionadas. Além de ajudar ao próximo, a Vanilda, que estava ociosa em casa, conseguiu uma nova ocupação.
 
A mãe de Gabriela, Vania, faz as entregas para quem não conseguir ir buscar os produtos. Cada máscara – também feita de tricoline – sai a R$10 para quem puder pagar.
 
Inovando no negócio
 
Quem já trabalhava com confecções também pode perceber uma nova oportunidade de negócio. Foi o caso de Jefferson Maciel, 27. Ele possui uma empresa de design que trabalha com brindes e presentes personalizados, como almofadas e canecas, de vende totalmente online.
 
“A gente decidiu fazer as mascaras em parceria com o Instituto Hilarius, que trabalha com crianças carentes. Eles estão abrindo uma sede no Dr Fabio e fazem trabalho hospitalar”, explica Jefferson.
 
A ideia inicial, então, foi de fazer máscaras para este instituto. Mas, aos poucos, a procura começou a aumentar, e o empreendedor começou a fabricar as máscaras personalizadas com logos de times, fotos, frases, desenhos animais, dentre outros.


Máscara personalizada de time é uma das novidades (Foto: Arquivo Pessoal)

Agora, parte da renda com a venda das máscaras personalizadas é revertida para doação nos bairros periféricos. “A gente mesmo que costura, que fabrica, porque tem a parte de costura aqui”, explica. “Elas são feitas em dois materiais, duas camadas de TNT - mesmo material das mascaras descartáveis  - e uma de material de tecido para personalizar”. As máscaras personalizadas custam R$10, e a taxa de entrega em Cuiabá e Várzea Grande é de R$5.
 
Serviço

 
Osiel – (65) 99202-6599
Gabriela / Valquiria / Vania – (65) 99902-0006
Jefferson – (65) 99345-0489

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet