Olhar Conceito

Domingo, 20 de setembro de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Depressão e a saúde do seu coração: saiba mais

Dr. Juliano Slhessarenko

15 Set 2020 - 09:03

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Depressão e a saúde do seu coração: saiba mais
Todas as pessoas têm dias em que se sentem tristes, sombrias ou deprimidas.  Mas se esses sentimentos durarem semanas e você gradualmente parar de se sentir esperançoso ou feliz com qualquer coisa em sua vida, você pode ter depressão.  Como as doenças cardíacas, a depressão é comum, portanto, não é incomum ter as duas doenças juntas.  Na verdade, a depressão tem cerca de duas vezes mais probabilidade de ocorrer em pessoas com doenças cardíacas em comparação com a população em geral.  E as pessoas com depressão enfrentam um risco maior de doenças cardíacas.

Leia também:
Cardiologista alerta: ​pressão arterial baixa pode ter sintomas também

É realmente importante que as pessoas estejam cientes dessa ligação e recebam tratamento para a depressão, porque pode ser muito debilitante.

Um coração pesado
 
A depressão afeta todo o corpo, não apenas o cérebro.  Ele tem sido associado à inflamação de baixo grau, que está envolvida no entupimento das artérias e na ruptura da placa cheia de colesterol.  A depressão também aumenta a produção de hormônios do estresse, que pioram a resposta do coração e das artérias às demandas por aumento do fluxo sanguíneo.  Ele ativa fragmentos de células sanguíneas conhecidos como plaquetas, tornando-os mais propensos a se agruparem e formarem coágulos na corrente sanguínea.
 
Muitos dos sintomas da depressão - como diminuição dos níveis de energia e falta de motivação - podem tornar o exercício regular, a ingestão de alimentos saudáveis ​​e a adesão a um regime de medicação um verdadeiro desafio.  Isso também pode ajudar a explicar por que a depressão torna as doenças cardíacas mais prováveis.
 
Depois de um ataque cardíaco - que geralmente ocorre quando uma pessoa é diagnosticada pela primeira vez com uma doença cardíaca - é completamente normal se sentir mal-humorado, angustiado ou irritado.  A ansiedade, que muitas vezes acompanha a depressão, também é comum.  Pessoas que se submetem a uma cirurgia de ponte de safena ou a uma operação na válvula cardíaca podem levar meses para se recuperar fisicamente, e esse estresse também pode afetar sua saúde mental.  As pessoas geralmente têm problemas para dormir e se sentem cansadas.  Mas se esses sintomas não melhorarem gradualmente com o tempo, podem ser sinais de depressão.
 
Em 2014, uma declaração da American Heart Association listou a depressão como um fator de risco para um mau prognóstico após um ataque cardíaco ou angina instável (dor no peito em repouso devido à redução do fluxo sanguíneo para o coração).  Um estudo descobriu que o risco de morte em sobreviventes de ataques cardíacos com depressão era três vezes maior do que aqueles sem depressão.
 
A doença cardíaca, também chamada de doença cardiovascular, é a principal causa de morte para homens e mulheres no Brasil. Embora as doenças cardíacas possam ser a principal causa de morte, a depressão foi considerada a principal causa de incapacidade em todo o mundo - com mais de 300 milhões de pessoas vivendo com depressão em todo o mundo.  Foi sugerido que a depressão é reconhecida como um fator de risco para doenças cardíacas, assim como diabetes, pressão alta e tabagismo.
 
É importante estar ciente da conexão cabeça-coração.  Pesquisas mais recentes mostram que fatores biológicos e químicos que desencadeiam problemas de saúde mental, como a depressão, também podem influenciar o risco de doenças cardíacas.
 
Quantas pessoas são afetadas por doenças cardíacas e depressão?


Até 40% dos pacientes com doenças cardíacas atendem aos critérios para transtorno depressivo maior.20-30% podem apresentar depressão leve ou sintomas depressivos elevados
 
Como estão as doenças cardíacas e a saúde mental?

Uso de tabaco: uma pesquisa de 2016 descobriu que 32% dos adultos com doença mental relataram uso atual de tabaco, em comparação com 23% dos adultos sem doença mental.  O uso do tabaco é um importante fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas.

Estresse: os hormônios do estresse, como o cortisol, aumentam o risco de problemas cardíacos e acredita-se que estejam relacionados a uma série de condições de saúde mental, como ansiedade e depressão.  O estresse não gerenciado pode levar à hipertensão, danos arteriais, ritmos cardíacos irregulares e um sistema imunológico enfraquecido.
 
Pessoas com depressão e sem histórico de doenças cardíacas desenvolvem doenças cardíacas em uma taxa mais elevada do que a população em geral.  Por exemplo, alguém com depressão pode ter menos probabilidade de ter hábitos alimentares saudáveis ​​e de exercícios e mais probabilidade de abusar do álcool - fatores que colocam você em maior risco de doenças cardíacas.
 
Aqueles que já têm doenças cardíacas, especialmente aqueles que sofreram um ataque cardíaco, correm maior risco de serem diagnosticados com depressão.  Por exemplo, alguém sem histórico de depressão pode começar a apresentar sintomas após o trauma de um ataque cardíaco enquanto lida com as pressões de recuperação e o medo de que isso aconteça novamente.
 
O tratamento eficaz pode ajudar o coração e a mente

 Práticas saudáveis ​​de estilo de vida, como dieta balanceada, exercícios e controle do estresse podem ajudar a prevenir ou reduzir os sintomas cardíacos e mentais.
 
O exercício regular pode ajudar a reduzir a depressão ao liberar endorfinas de sensação de bem-estar.  Também fortalece o coração e tem efeitos positivos sobre a pressão arterial.  Gerenciar o estresse pode ser uma boa ideia para sua saúde geral e novas pesquisas sugerem que a terapia psicossocial pode melhorar a qualidade de vida, a pressão arterial e a satisfação com o atendimento.
 
Embora haja muita sobreposição nos fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas e problemas de saúde mental, mudanças saudáveis ​​no estilo de vida podem beneficiar ambas as condições.
 
Se você está atualmente em tratamento para depressão, converse com seu médico sobre os medicamentos que pode estar tomando e o risco de doença cardíaca.  Se você tem uma doença cardíaca e acha que pode estar mostrando sinais de depressão ou outro problema de saúde mental, faça uma avaliação e converse com seu médico sobre o encaminhamento a um profissional de saúde mental.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet