Olhar Conceito

Domingo, 20 de setembro de 2020

Notícias / Artes Cênicas

Espetáculo "Pai Eterno" testemunha a surpresa, revolta e culpa de um pai em relação ao filho

Juliana Capilé, Especial para o Olhar Conceito

06 Mai 2013 - 10:29

Espetáculo
O Palco Giratório 2013 iniciou com o espetáculo “O Filho Eterno”, da Cia Atores de Laura (RJ). O monólogo escancara a alma de um pai que se debate para aceitar a existência do filho com Síndrome de Down. A surpresa, a revolta, a culpa e a vergonha; tudo revelado sem o menor pudor.

O choque em ouvir o ponto de vista mais cruel é atenuado pelo discurso em terceira pessoa, levado com muita competência pelo ator Charles Fricks, que narra ao mesmo tempo em que executa a ação, o que revela o distanciamento do personagem Pai em relação ao seu filho inesperado e indesejado: Felipe, o único nome revelado na história.

Esse efeito de distanciamento, calcado nos estudos de Bertolt Brecht, também sugere que o ator-narrador está apontando para a história que narra, revelando seus pormenores, segredando ou acusando, mas acima de tudo, expondo o personagem para a plateia.

O espetáculo tem esse tom confessional e transforma os espectadores em cúmplices, e executando nosso papel, engolimos em seco as ofensas preconceituosas e quase hitleristas disparadas contra a criança recém-nascida, na esperança de que uma hora ou outra esse Pai vai entender. Variamos entre a piedade e a identificação. Ouvimos a versão da ciência sobre os portadores da Síndrome de Down e junto com esse diagnóstico, todo tabu da inteligência perfeita e apropriada.

Como o espetáculo parte da história se passa nos anos de 1980, constatamos o quanto nossa sociedade pouco sabia sobre pessoas diferentes e o quanto tantas famílias sofreram com isso, fato que empurra a montagem para o teatro-documentário, ou biodrama.

Outra característica de biodrama é o fato de que a história se baseia no livro autobiográfico de Cristóvão Tezza, apesar de o autor preferir que sua obra seja recebida como romance. Biodrama ou não, o espetáculo assim como o livro, ganha por se concentrar no problema e não na solução. Aquele Pai que estava na nossa frente assumia para si toda a ignorância do mundo, pois era ele quem se debatia buscando a aceitação. Bastante interessante o jogo de espelhos da realidade de Pai e filho; desde o início o Pai se revela um “sustentado pela mulher, em todos os sentidos”, desempregado, sem maiores competências. Como escritor fracassado, se defendia do que não podia suportar com um comportamento piadista e falsamente alegre. Ele mesmo se mostra como um desajustado socialmente, e ri disso muito facilmente. Semelhante a uma fita de Moebius, essas características são as mesmas que o incomodarão no filho; sua preocupação será com a incapacidade do filho de arrumar emprego, sua dependência, sua fraqueza física, sua despreocupação, e sua alegria.

O que o incomoda no filho é justamente a semelhança com ele mesmo; é o reconhecimento de que Felipe é uma nova versão de sua própria pessoa. A montagem reforça uma visão científica carregada de preconceito, salientando que “no final dos anos 80 ninguém sabia o que era Síndrome de Down; chamavam de mongoloide”, cheia de impropérios que soavam como verdade para o Pai, que não consegue oferecer uma segunda opinião. Fica a encargo do espectador deixar minar a outra verdade sobre os portadores da Síndrome de Down, a outra verdade sobre Felipe. Impassíveis, deixamos o Pai se debater, e como Felipe, recebemos toda a intolerância que ele tem para nos atirar.

A direção de Daniel Herz é de uma simplicidade desconcertante, colocando em cena apenas o Pai “sozinho, como sempre esteve na vida” e uma cadeira, que representa a única pessoa que realmente importava em sua vida: ele mesmo. No final o palco recebe mais uma cadeira; é Felipe finalmente aceito. A iluminação é cirúrgica, pontuando precisamente os efeitos do ato de se debater, mas não revela nada além da confissão da personagem. Alías toda montagem se concentra nesta confissão estertorada, impedindo a distração da platéia, que sai com uma sensação de que o que não podemos mudar acabamos por nos acostumar e aceitar, como este Pai e seu Filho Eterno.

*Juliana Capilé é atriz e diretora teatral da Cia Pessoal de Teatro e integrante do Coletivo à Deriva

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet