Olhar Conceito

Terça-feira, 07 de julho de 2020

Notícias / Cinema

Ney Matogrosso quebrou, requebrou e cantou todo mundo no documentário Olho Nu de Joel Pizzini

Da Redação - Marianna Marimon

04 Mar 2014 - 15:40

Foto: Reprodução

Ney Matogrosso quebrou, requebrou e cantou todo mundo no documentário Olho Nu de Joel Pizzini
Este não é um filme sobre Ney Matogrosso, mas um filme com Ney Matogrosso, enfatizou o diretor Joel Pizzini, do longa-metragem “Olho Nu” que retrata diferentes momentos da vida do artista performático e cantor. É um filme evocativo, afinal, a intenção não é esgotar a sua história, mas mostrar toda a grandeza e imensidão de Ney, que até hoje, continua ativo com sua música e arte. “O Ney é um intérprete da alma do Mato Grosso, como estado de espírito, mais do que geográfico. E ele sempre diz quando perguntam como consegue estar tão bem aos 72 anos que é porque ‘sempre sai da mesa com um pouco de fome’. E assim que Olho Nu é: traz o desejo de ver mais deste eterno subversivo”, explicou Pizzini.

Leia também: Festival de Cinema é janela para produção audiovisual independente que dialoga com a realidade do Brasil

Olho Nu traz Ney indo e vindo para se lançar em um breve momento e assim, se eternizar. Ney se faz grande com sua presença inconfundível, com suas vestimentas chamativas. Durante o filme ele diz: “Sou primário, gosto do osso, da terra e da pele”. E diz isso com chifres de animais na cabeça em uma fantasia que remete aos homens das cavernas.

Ney não tem medo de assumir quem é, e o filme retrata parte da sua trajetória, a dificuldade em ser aceito pelo pai, quando assumiu sua identidade subversiva. E ilustra o início da carreira, quando começou sozinho e então, resolveu sair de casa, do município de Bela Vista (MT) e se lançar no universo urbano em São Paulo, aonde montou o grupo de MPB e rock, com uma linguagem antropofágica, Secos e Molhados.

Foi aí que Ney se firmou como artista e demonstrou ser maior do que o próprio nome. O filme é emblemático e também demonstra a relação de Ney com a natureza, com um respeito eterno com o verde, as águas, os animais. Ney se transfigura neste personagem inquieto, subversivo, que não se prende a ninguém, estando sempre ali com todos. Em parte do filme, durante um show, Ney choca a plateia ao enfiar a mão por dentro da calça enquanto a narrativa de uma entrevista passa pela imagem: “Eu tinha tesão pela plateia e queria trepar com todas aquelas pessoas”, dispara.



Um grande intérprete que incorpora uma sonoridade aguda nas canções de Cartola, mas que também canta com gravidade suas próprias canções, artísticas, sensíveis e ainda assim, de cunho provocativo, como “Rosa de Hiroshima”. Um dos momentos mais sensíveis do filme é breve, e revela o amor que houve entre Ney e Cazuza. O cantor que morreu vítima da AIDS olha para câmera e questiona: "Porque que a gente é assim, hein Ney?", e com um sorriso largo, se vai. 

Pizzini contou que foram mais de 500 horas de gravação que se transformaram em Olho Nu. Um intenso e extenso trabalho de pesquisa, o filme possui 85 músicas, sendo que na primeira versão havia 140 canções. “As letras das canções é a narrativa do filme”, disse Pizzini.

O maior desafio foi não cair na nostalgia de todo o material destacado, devido ao passado poderoso de Ney e sua atuação na década de 80. “Olho Nu é o Ney dialogando com a memória do seu passado, mas quisemos mostrar que ele é um sobrevivente e equilibrar tudo isso com a sua volta à Bela Vista e fazer este mergulho na memória mas descolado, para mostrar que ele continua vivo e intenso”, explicou.

Para Pizzini, Ney não se rende, é um eterno subversivo e se renova a cada show. “Ele se liberta sempre e está em plena metamorfose”, revelou. Sobre a participação de Ney na produção do longa-metragem, o diretor ressalta que na fase final da montagem, o artista contribuiu com sugestões. Porém, a ideia era repassar um retrato de Ney na terceira pessoa. Entre ideia e realização foram cinco anos para a produção do filme, que não foram contínuos. E agora Olho Nu vai virar série de TV.



E então, com seus olhos de gato, e seu sorriso com os dentes tortos que diz trazer sorte, ele abre a boca e solta a sua voz para interpretar o que sempre quis: “Dizem que sou louco por pensar assim. Se eu sou muito louco por eu ser feliz. Mas louco é quem me diz. E não é feliz, não é feliz”.

Confira o trailler de Olho Nu: 





0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet