Olhar Conceito

Quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Notícias / TV

'Manos e Minas' completa 5 anos na TV Cultura

Estadão

10 Mai 2013 - 15:34

Foi preciso muita imaginação e fôlego para fazer tantas rimas nos cinco anos do "Manos e Minas", programa dedicado ao hip-hop e à arte da periferia, que terá edição comemorativa neste sábado, às 17 horas, na TV Cultura. No aniversário, o convidado será o rapper Edi Rock, um dos fundadores do Racionais MCs.

"Desde que entrei para o programa tenho vontade de trazer o Racionais. Anualmente, a gente passa uma cantada", torce o diretor Marcelo Oliveira Costa, há três anos na atração. Com o mesmo tempo de casa, o apresentador e especialista em freestyle (improviso de rimas), Max B.O. comemora o fato de pelo menos um membro artista da banda participar. "Eles estão sem gravar há 11 anos. Essa é a primeira apresentação de um integrante sozinho na TV para mostrar o novo trabalho."

Segundo a equipe, a única atração da rede aberta que trata exclusivamente do tema teve longevidade porque os ritmos musicais das quebradas se misturaram a outros estilos. "A renovação do programa passa pela renovação do rap. Era uma coisa de nicho, da periferia. Hoje, ele invadiu a Rua Augusta e bairros como o Jardim Paulistano. Atinge diversas faixas etárias e classes sociais", analisa Costa. Max B.O. avalia a produção. "Nas matérias, a gente traz coisas não só ligadas ao hip-hop, mas dos manos e minas em geral. Sempre tem gente nova chegando à plateia."

Para o diretor, a ausência de programas dedicados ao rap e hip-hop na TV não se trata de falta de interesse nos ritmos da periferia, mas da música em geral. "O hip-hop é um gênero consagrado. É mais uma resistência ao programa musical do que ao rap. Não há muito espaço para a música ao vivo, há poucos programas como o Som Brasil (Globo), por exemplo", explica Costa, que avalia a mudança no comportamento do telespectador. "As pessoas veem a parte de música na hora em que querem, no computador. Com o Manos e Minas, temos um pós-programa na internet. Se o cara chega em casa às 2 horas da manhã, vai querer ver vídeo sob demanda, não na TV."

É pela rede também que a turma da produção descobre novos talentos para convidar. "A gente recebe muitos CDs, mas também muitos links dos vídeos deles. Hoje, está mais fácil para quem produz", conta o diretor. Marcelo Oliveira Costa prefere dizer que o "Manos e Minas" não apadrinhou nenhum artista conhecido hoje, mas ajudou a impulsionar a carreira. "Um dos que saíram do Manos foi o Emicida. Talvez tenha sido o primeiro programa de TV que tenha feito, mas ele já era reconhecido". Além de divulgar cantores, o programa também dá espaço para grafiteiros.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet