Olhar Conceito

Quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Notícias / Literatura

Maior projeto de biblioteca móvel do Brasil leva acervo de 2 mil livros a escolas de Cuiabá e VG

Da Redação - Isabela Mercuri

31 Mai 2017 - 16:54

Foto: Da Assessoria

Maior projeto de biblioteca móvel do Brasil leva acervo de 2 mil livros a escolas de Cuiabá e VG
Dez escolas de Cuiabá e Várzea Grande recebem, a cada quinze dias, uma biblioteca móvel com acervo de dois mil gibis e livros: a ‘Bibliosesc’, maior rede de bibliotecas móveis do Brasil, que tem por objetivo promover o acesso democrático a informação e ampliar o acesso ao livro, encurtando a distância entre a obra e o leitor.

Leia também:
'Canção da Liberdade', livro de poemas de artista cuiabana, é lançado em Cuiabá

A Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) Maria de Lourdes Toledo Areias, localizada na comunidade rural de Praia Grande, em Várzea Grande, é uma das instituições que faz parte do projeto há quatro anos.

A cada quinze dias, os alunos recebem o veículo na porta da escola, onde entram em pequenos grupos, escolhem um exemplar e se sentam em roda para ler. “É muito gratificante ver o quanto o Bibliosesc ajuda na formação das crianças incentivando o gosto pela leitura”, explica a professora Vânia Moura.

As outras nove escolas que recebem o projeto são ‘rotativas’ e, de acordo com a assessoria, todos os anos quatro entidades são substituídas, para que se possa atender o maior número possível de instituições que trabalham com educação, mas não têm bibliotecas.

“Há dez anos nós buscamos atender as escolas num sistema de rodízio. A única exceção é a EMEB Maria de Lourdes que está no projeto há quatro anos”, explica a bibliotecária do Sesc, Edna Gonçalves.
A unidade fica um ou dois períodos na escola, dependendo do horário de funcionamento do local, e volta a cada quinze dias. Por isso, as crianças podem, ainda, pegar o livro emprestado e devolver no retorno da BiblioSesc.

“Eu leio na escola e levo para ler com minha mãe porque em casa não tem livros”, disse o estudante do 2º ano, Guilherme Pacheco. Como os alunos também levam os títulos para ler em casa, os pais se envolvem com a proposta.

A professora Vânia Moura, que foi aluna da escola Maria de Lourdes, onde seus filhos também estudaram, conta que quando os alunos que vão para outra escola terminar o ensino fundamental se destacam na interpretação de texto, e isso se traduz em notas melhores. “Esta é a melhor prova que a leitura é fundamental para as crianças”, finaliza.
 

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet