Olhar Conceito

Terça-feira, 07 de dezembro de 2021

Notícias / Turismo

Turbulências são principal causa de ferimentos em voos; cinto evita danos

G1

03 Set 2013 - 16:42

Turbulências muito fortes durante voos não ocorrem com muita frequência, mas quando ocorrem podem causar estragos, como no caso do voo da Tam de Madri para São Paulo que deixou 12 feridos na madrugada desta segunda-feira (2).

As turbulências são a maior causa de ferimentos em passageiros e na tripulação em acidentes aéreos não fatais, segundo autoridades como a Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata), a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) dos EUA, e a Autoridade Australiana de Aviação Civil. A cada ano, 58 pessoas, em média, ficam feridas nos Estados Unidos durante turbulências, por não usarem o cinto de segurança.

A maior parte das turbulências é leve, curta e não causa prejuízos. Elas ocorrem devido à movimentação do ar: as massas de ar quente (mais leves) sobem, enquanto as massas de ar frio (mais pesadas) descem. Esse deslocamento produz correntes de vento e, a depender da velocidade com que isso se dá, do calor e da pressão atmosférica, podem fazer o avião “chacoalhar”.

“É como em um carro. A situação ideal é dirigir em uma estrada lisinha. Mas se de repente vem um trecho cheio de buracos, o carro vai sofrer solavancos. No avião, esses movimentos de ar provocam as turbulências”, compara Hernan Dario Ceron Muñoz, professor do Departamento de Engenharia Aeronáutica da Escola de Engenharia de São Carlos, da USP.

Isso não significa que a aeronave vá cair. “A aeronave está preparada para enfrentar as turbulências. Não ocorre comprometimento estrutural”, garante Ronaldo Jenkis, coordenador da Comissão de Segurança de Vôo da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas).

Mas, caso os passageiros estejam despreparados (sem cinto de segurança), podem sofrer fraturas e outros ferimentos.

Em muitos casos, os pilotos, com a ajuda de radares meteorológicos, conseguem detectar a passagem por uma área de turbulência a tempo de avisar as pessoas a bordo. Mas nem sempre elas são previsíveis. “Se for uma nuvem de desenvolvimento vertical [do tipo que provoca temporais] muito grande, aparece no radar e é possível desviar do núcleo. Mas não dá pra saber a intensidade, e as periferias têm turbulências também”, diz Jenkins.
Por isso, a principal ação de segurança é estar com o cintos afivelado o máximo de tempo possível. “O grande problema é que os passageiros têm descaso com a orientação de uso do cinto”, diz Muñoz. “Tirar o cinto, só para ir ao banheiro e voltar”, completa Jenkins.

Condições na cabine de acordo com a intensidade da turbulência, segundo a Iata
Leve
Moderada
Severa
Os líquidos balançam, mas não derramam dos copos
Líquidos caem para fora dos copos
Objetos caem ou são sacudidos se não estão presos em algum lugar
Os carrinhos podem ser manobrados sem muita ificuldade
Dificuldades para andar, ou ficar em pé sem balançar ou se segurar. Carrinhos são manobrados com dificuldade
Andar é impossível
Passageiros podem se sentir leve pressão contra os cintos de segurança
Passageiros sentem que estão sendo segurados pelos cintos
Os passageiros são violentamente segurados pelos cintos
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Redes Sociais

Sitevip Internet