Olhar Conceito

Sábado, 05 de dezembro de 2020

Notícias / Artes Cênicas

Diabo monta igreja, mas é traído por seus fiéis em "A Nova Ordem das Coisas"

Raquel Mützenberg - Especial para o Olhar Conceito

09 Mai 2013 - 10:30

Foto: Divulgação

Sozinho em cena, o ator Alexandre Dantas dá voz aos diversos personagens do conto

Sozinho em cena, o ator Alexandre Dantas dá voz aos diversos personagens do conto

A Nova Ordem das Coisas encenada nesta quarta-feira (8) pelo Palco Giratório é um espetáculo baseado no conto A Igreja do Diabo, de Machado de Assis. Nesse conto, o Diabo, cansado do seu reinado casual e adventício, resolve fundar sua própria Igreja onde as virtudes aceitas deviam ser substituídas por outras que, segundo ele, eram as naturais e legítimas. O Diabo ganha muitos adeptos, mas, no final, descobre que seus fiéis passam a infringir suas leis para cometer bons atos.

Diretor coloca sua própria história em palco e transforma espetáculo em documentário

Sozinho em cena, o ator Alexandre Dantas dá voz aos diversos personagens do conto, e ao próprio autor, utilizando-se de todos os artifícios da linguagem narrativa.

“Eu sou o diabo!” – Afirma o ator nos primeiros minutos do espetáculo, trabalhando o texto de Machado de Assis em uma organicidade quase real com o cenário. Muito simples – característica destacada pela plateia durante o bate-papo depois da apresentação – o cenário trazia uma grande carta em rolo que tomava conta do palco inteiro, pendurada entre as grades de iluminação. Bem sugestivo.

A paixão que o ator Alexandre Dantas tem pelo texto de Machado de Assis é gritante em sua atuação, favorecida pela atualidade do texto. O ator apela provocando diversas vezes a plateia, que respondeu muito participativa, principalmente às que satirizavam práticas de diversas religiões. Bem a cara do diabo.

Apesar da aceitação do público com esse tipo de ironia, os integrantes da companhia Falácia explicam que o primeiro nome do espetáculo teve que ser alterado. À época da estreia, a peça era vendida com o mesmo nome do conto de Machado: “A Igreja do Diabo”, o que gerava receio principalmente do público escolar.

O trabalho da Cia Falácia é essencialmente a interpretação, que sempre recai em bordões da comédia. O ator também utiliza músicas em vários momentos da peça, com repertório que inclui Tom Zé e Raul Seixas, interpretadas algumas vezes em playback com coreografias que apelam para um humor estilo “Zorra Total”.
Sem incentivos financeiros, o ator Alexandre Dantas e a diretora Claudia Ventura fizeram toda a produção. Apenas algumas questões como a iluminação foram elaboradas por profissionais amigos que, segundo Dantas, não se importaram em fazer de graça pois ganhariam dinheiro com outras coisas.

Apesar disso, Dantas questiona a iniciativa do Sesc Mato Grosso em estabelecer o valor dos ingressos do Palco Giratório 2013 a um litro de leite. Para ele, isso atrapalha a formação de plateia quando for realizado um espetáculo que cobra a entrada em dinheiro, mesmo se for um custo baixo.

A plateia concordou com a posição do ator e muitas pessoas opinaram sobre o fomento a cultura, levantando questionamentos em relação à arte e seu papel e presença na sociedade. Dantas completa a discussão afirmando que a arte é elitista, é pra pouca gente e que quem faz teatro é porque teve um mínimo apoio e condição oferecidos pela família. Ele ressalva que viver de teatro nem sempre é viver do teatro que se quer fazer.

Esta é a sexta vez que os integrantes da Cia participam do projeto Sesc Palco Giratório, que elogia e parabeniza o Sesc pela iniciativa de interiorizar a arte no Brasil. Para quem acompanha o projeto em Cuiabá, hoje tem Cia Falácia com o espetáculo "Amor confesso", às 20h. Te vejo lá?

* Raquel é atriz e jornalista e não perde um espetáculo deste Palco Giratório por nada. Para nossa alegria, divide suas impressões com os leitores do Olhar Conceito. Veja mais críticas no blog Três Movimentos

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet