Olhar Conceito

Quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Notícias / Literatura

Presidente eleita afirma que não quer perfeição em sua gestão na AML, mas que sua criatividade e sua chapa a ajudarão

Da Redação - Isabela Mercuri

09 Set 2015 - 09:15

Foto: Reprodução

Presidente eleita afirma que não quer perfeição em sua gestão na AML, mas que sua criatividade e sua chapa a ajudarão
Acontece na próxima quinta-feira (10), a posse da nova Presidente da Academia Mato-Grossense de Letras, Marília Beatriz Figueiredo Leite. Eleita por unanimidade no último sábado (5), a advogada e escritora vai presidir a AML no biênio 2015-2017.

Leia mais:
Com carta a sua mãe como discurso, Luciene Carvalho é a última empossada na atual administração da AML
Com obra acadêmica que põe MT em evidência, professora de de Cáceres ocupada cadeira de seu pai na AML

Em entrevista ao Olhar Conceito, Marília contou que teve que se apressar para o evento da posse: “Fui eleita no sábado e quinta já é a posse. Mas eu acho que tudo é assim, esse é meu jeito”, afirma. Em 2013, a imortal tomou posse da cadeira nº2, no mesmo dia 10 de setembro, um mês após ser eleita.

Marília conta que não tinha pretensão pelo cargo: “Eu sou muito nova na Academia. Tem gente lá dentro que tem bem mais experiência e conhecimento e que seriam bons presidentes ou presidentas. Gente que já foi e poderia ser novamente, ou gente que ainda não foi mesmo”, conta.

Apesar de ser uma ‘novata’, a imortal acredita no potencial de sua administração: “Eu sou filha de Gervásio Leite, que foi presidente da Academia durante um longo período e não teve temor algum, porque tinha a seu lado Arruda de Mendonça, um dos maiores nomes da cultura Mato-Grossense”. Desta vez, para apoiá-la na gestão, Marília optou por uma chapa multifacetada.

Como primeiro vice-presidente está o comunicador José Cidalino Carrara. O segundo vice é o poeta Ivens Cuiabano Scaff. O primeiro secretário, Luiz Orione Neto, e a segunda secretária será Sueli Batista.



“Estes são nomes que vão amparar minha humildade e fragilidade. Fragilidade não porque sou frágil, mas por causa da minha falta de conhecimento necessário, quando comparado ao tempo em que os outros estão lá”, confessou a presidente eleita. Ainda sobre sua gestão, ela é categórica: “Não quero a perfeição, pois quem é perfeito não busca, não corre atrás, não pensa no amanhã”.

Marília já organizou alguns eventos que acontecerão após sua posse. Já no mês de outubro acontece o lançamento do livro “Ressonâncias”, do cantor e compositor João Eloy. Logo depois, ela continua os eventos do centenário de seu pai Gervásio Leite, que começou em junho de 2015 e segue até junho de 2016.

Em novembro, será a primeira vez que será apresentado, na Academia, um projeto da professora Eda Garcia do Carmo sobre música medieval, com a presença de alunos de uma escola do interior.

“Além destes projetos, que já estão confirmados, temos também programado uma fisioterapia literária, e pretendo colocar pelo menos uma vez por mês uma apresentação de um dos imortais, assim durante estes 24 meses haverá algo para mostrar para a comunidade mato-grossense”, finaliza Marília.

Em suas palavras, apesar de não ter muito dinheiro para realizar todos os projetos, ela tem o essencial: criatividade.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet